quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Ritual para celebrar o Alinhamento Galático (21/12/2012)

Link


Para aqueles que se interessam em comemorar esse evento, que só acontece a cada 26 mil anos, e que foi explicado na postagem anterior; deixo minhas dicas para essa singela comemoração.

Não acho que seja necessário rituais extensos e grandiosos a esse respeito; sou e sempre fui adepto de que na simplicidade pode morar grande intensidade, desde que feita com dedicação, cuidado e respeito. Por isso não pense que eu irei dar dicas de um ritual muito elaborado e detalhado - apesar de grande simpatizante não sou magista e não lido diretamente com Alta Magia.

Minha dica começa com 72 horas antes da comemoração. Nesse prazo, não ingira nenhum alimento de base em carne, se possível, mesmo peixe e derivados. Tente uma alimentação balanceada e natural para limpar um pouco seu organismo. Evite também o consumo de álcool e, se possível, retire os elementos considerados viciantes de sua mesa e refeições por esse tempo. Nesses três dias que antecederem ao ritual, realize pelo menos a meditação de Ancoramento e Centramento, mas se possível realize junto a Meditação da Árvore, pelo menos uma vez por dia, ao acordar ou antes de dormir. Evite desentendimentos e saia fora dos problemas que você puder contornar. Paralelo, resolva o máximo de coisas inacabadas que te forem possíveis resolver nesse prazo. Tente dedicar-se a penas ao que te faz bem.

Para o dia em questão, você precisará de:
  • Uma vela dourada (ou branca);
  • Um pacote de sal de cozinha;
  • Um giz de quadro (ou outro material que te permita desenhar no chão e depois ser limpo com facilidade);
  • Um cálice com vinho / cerveja / suco / água para a libação;
  • Um incenso (recomendo o ananda, lótus, absinto);
  • Um Elixir de Fogo (dica: prepare um com erva cidreira, alecrim, alfazema, benjoim e cravo-da-índia);
  • Um Cristal Branco;
  • Uma Opala;
  • Um caldeirão;
  • Um besom / heskuvyta / vassoura.


Recomento que você tome um banho de ervas antes do ritual, sugiro erva cidreira, cravo e comigo-ninguém-pode. Vista-se com roupas confortáveis, de preferência brancos (ou, se preferir, una essa comemoração com Yule e vista-se em suas cores: verde e vermelho). Realize o ritual descalço.

Desenhe no chão com o giz o nosso Sistema Solar, do jeito que aprendeu na escola, colocando o Sol ao centro. Marque a posição do Sol com o Caldeirão de Fogo, e a posição da Terra com o Cristal Branco. Próximo ao centro, coloque os demais objetos que você irá utilizar. Monte um altar em volta do Sol (caldeirão) e deixe sua intuição te guiar.

Trace um Círculo de sal em volta de tudo o que você montou. E, se achar prudente, desenhe um pentagrama com o sal dentro do Círculo.

Se possível, realize esse ritual no horário exato do alinhamento, às 10:05 horas do dia 21/12/2012. Mas se não der, por razões de trabalho ou outras, não se preocupe, o movimento do Sol na Galáxia é lento, você ainda pegará esse alinhamento mesmo que o faça junto com Yule, na madrugada do dia 22/12.

Com tudo pronto e traçado, purifique o local e as pessoas com água salgada, incenso e besom; invoque os Elementos, trace o Círculo como de seu costume. Adentre todos no Círculo, tomem suas posições e acendam a vela e invoquem as energias:

Sol, astro querido
Rei, pai, senhor e amigo!
Tu também tens teu Ciclo
E hoje estás de fato renascido...

É a ti que invoco nesse momento tão sublime e grandioso
Para receber de ti todo esse poder grandioso.
Que tuas energias possam passar a mim,
todas as energias que a Galáxia emana.
Que tu sejas a ponte poderosa
Que liga nosso mundo a todo o poder que a Galáxia exala.

Que todas essas energias sejam positivas,
Que sejam de paz, harmonia, equilíbrio e sempre amigas!

Que seja também teu este poder,
E que por mais uma Era continue nos enviando sua luz
Ensinando-nos a sermos sempre dignos
Dessas energias sempre receber!


Então realize a Meditação da Árvore, se conectando com o Universo. Ao regressar da meditação, acenda o Caldeirão de Fogo e, em sintonia por sua representação, sinta que o Círculo é a conexão pura com nossos Sistema Solar e que do Fogo emana as energias de nosso Sol, e que junto dele recebemos as energias de nossa Galáxia com ele, e através dele, simbolizado e invocado no fogo que arde no centro de nosso Círculo. Se estiver em grupo, de mãos dadas, firmem essa conexão, invoquem ela em suas vidas e fixem elas em vocês e através de vocês. Se estiver sozinho, faça o mesmo, mesmo que solitário.

Quando sentir que terminou, consagre a libação, sirva a todos (se for em grupo) e beba-a, sentindo que você internaliza, absorve, canaliza toda essa energia. Quando terminar tudo, desfaça o Círculo e comemore o momento. Quando tudo houver, enfim, acabado, limpe tudo e enterre os restos.


Se você quiser, pode mesclar essa comemoração com a comemoração de Yule, mantendo um fogo aceso até o nascer do sol do dia 22/12, mesmo que o fogo de uma vela (no tom verde). Sinta-se livre para adaptar o ritual, acrescentando coisas suas, tornando-o seu.

Outra dica que dou, se existir algo te fazendo mal, destrua algo que o represente, através do fogo, antes do ritual começar, deixando tudo embora e se liberando para renascer em harmonia.

A última dica é que um bom chá de Losna pode ajudar bastante se tomado minutos antes do ritual.


Que essas energias sejam prósperas e plenas em sua vida! Que esse Yule seja perfeito para todos nós, recobrado de bênçãos!


FELIZ ALINHAMENTO GALÁTICO e FELIZ YULE SABBATH!

O Alinhamento Galático de 21/12/2012

Link
Alinhamento Galático: Quando o Sol se alinha ao Equador Galáxial em conjunção com nosso planeta. Acontecerá dia 21/12/2012 iniciando às 10:05h.

Já me adianto dizendo que esse texto será bem grande, mas a leitura será muito instrutiva.

É sabido que o fenômeno, já previsto pelo calendário Maia, que acontecerá nesse dia 21 de dezembro de 2012 tem mexido com opiniões e causado polêmica há bastante tempo. Por isso, acho essencial desmistificarmos o que realmente vai acontecer.

Em primeiro ponto, para fazermos isso, é necessário entendermos que o Calendário de Tempo Longo Maia (o que termina nesse dia), é um calendário. E como todo outro qualquer, tem seu fim para ser recomeçado em um outro ano, longo ano. Para entendermos isso, é preciso entender que a concepção de ano com 365 dias é moderna, nem todas as sociedades contavam seus anos assim. Os gregos tinham duas contagens de ano: o "ano", que muito se assemelhava ao nosso ano comercial, e o "grande ano", o Grande Ano era um ano formado por 8 anos comuns. Os celtas contavam seu ano com 13 meses lunares, fazendo 364 dias anuais, e um dia "fora do tempo" - que não entrava na contagem (Samhain), formando um ano de 365 dias. Esse ano era colocado em um ciclo de 5 anos, chamado "Lustre" (origem da palavra luso - lusitanos, os que comemoram o lustre). A cada 6 Lustres, 30 anos, formava-se um Ciclo, uma Era Comum. A cada 21 Ciclos, ou 126 Lustres ou 630 anos, era contado uma Era Druídica ou uma Grande Era. Indo mais além, sabemos que o ano - considerando apenas o tempo de translação -, por exemplo, em Vênus é de 224 dias, e de Saturno é de aproximadamente 29 anos e 167 dias. Lembro também que as horas que contam os dias são diferentes nesses lugares em relação a Terra, dependendo da Rotação desses planetas.

O que estou querendo mostrar é que, é uma convenção nossa a forma com que contamos o nosso tempo, e que sociedades diferentes contam e contavam o tempo de forma diferente, usando referências diferentes. Os Maias não tinham um só calendário. O calendário a que nos referimos é o calendário de tempo longo em que um "ano" equivale a, na verdade, 26 mil anos. Podemos dizer que esse calendário nos conta a passagem de Eras, no caso Eras Astrológicas.

Para os maias, o Sol, seu grande Deus, nasceu do útero nossa Galáxia. A cada 26 mil anos, o Sol -  que está se movendo em nossa Galáxia -  se alinha - formando um alinhamento Terra-Sol-Galáxia -, sem nenhum astro entrepondo ao alinhamento, com o centro de nossa Galáxia, composto por um buraco negro e por altíssima radiação. Esse alinhamento, para os maias, simbolizava o nascimento do Sol e por isso era o momento de renascimento, de reiniciar a contagem. Como qualquer outro calendário, alguma hora se volta ao primeiro dia do "ano". É o que acontecerá com relação ao Calendário Maia.

Por outro lado, cabe ressaltar que esse evento é poderosíssimo, no que se diz a astrologia, trará uma grande carga de energia ao nosso sol e consequentemente ao nosso planeta. Isso inicia uma nova Era no nosso ciclo planetário que com seus 4,5 bilhões de anos já colecionou várias Eras e vários alinhamentos galáticos. Essas energias, certamente mudarão muita coisa a longo prazo em nosso planeta e em nossas vidas, mas se nutrir delas, ainda mais nessa data de Yule (21/12), é se aprimorar ainda mais e firmar maio conexão com o Universo que nos abriga.

Para explicar melhor tudo isso, faço minhas as palavras de Carlinhos Lima, no que ele postou em seu blog a respeito desse fenômeno:

[Retirado de Climazen - Umbanda Astrológica, por Carlinhos Lima].

O alinhamento do Sol com o centro da Via-Láctea em 21 de dezembro de 2012 que vai, de fato, acontecer, poderá parecer inédito, porque acontece uma vez a cada 26 mil anos, mas, para o planeta Terra, que tem 4,5 bilhões de anos, já aconteceu pelo menos 173 mil vezes. A Via Láctea descreve como um todo um movimento de rotação (apesar de os seus componentes não se deslocarem à mesma velocidade) e está inserida no chamado Grupo Local de galáxias, que é constituído por cerca de trinta galáxias; as principais são a Via Láctea e a Andrômeda (estas duas galáxias espirais gigantes orbitam um centro de massa comum).

A Via Láctea é classificada como sendo uma galáxia espiral e os seus braços estão em movimento rotatório em torno do núcleo, à semelhança de um grande cata-vento. É no braço menor de Órion que está localizado o nosso sistema solar. Ela possui apenas dois braços estelares principais e não quatro como se pensava: o braço Perseus e o braço Centaurus. Os demais braços foram reclassificados como braços menores ou ramificações. Esses dois braços principais contem uma enorme concentração de estrelas jovens e brilhantes.

A Via Láctea é a galáxia onde está localizado o nosso Sistema Solar. É uma estrutura em espiral constituída por cerca de duzentos bilhões de estrelas e divide-se em seis partes: núcleo, bolbo central, disco, braços espirais, componente esférico e halo. O núcleo tem a forma de uma esfera achatada e é uma fonte de intensa radiação eletromagnética, provavelmente devido à existência de um buraco negro no seu centro.

O alinhamento galáctico em questão é o alinhamento do Sol no Solstício de Inverno de 2012 com o centro da Via Láctea, no Equador galáctico (linha análoga ao Equador terrestre, que divide a nossa galáxia em duas partes). Um alinhamento com estas características apenas acontece uma vez a cada 26 000 anos e coincide com o fim do calendário de Conta Longa dos maias. O disco é a parte mais visível da galáxia e é nesta estrutura que repousam os braços da Via Láctea. As estrelas do disco têm um movimento de translação em volta do núcleo, todas as estrelas que observamos no céu noturno estão localizadas no disco galáctico.

A Via Láctea descreve como um todo um movimento de rotação (apesar de os seus componentes não se deslocarem à mesma velocidade) e está inserida no chamado Grupo Local de galáxias, que é constituído por cerca de trinta galáxias; as principais são a Via Láctea e a Andrômeda (estas duas galáxias espirais gigantes orbitam um centro de massa comum). No interior do centro galáctico existe uma nebulosa região escura de pó e nuvens, semelhante a um corredor escuro, conhecido atualmente por Dark Rift e conhecido pelos maias por Xibalba Be ou Caminho Escuro.

Em termos de mitologia maia, a Via Láctea representa a Grande Mãe Cósmica, a partir da qual toda a vida nasceu e o seu centro representa o útero cósmico. O Sol – e com ele o sistema solar - efetua uma rotação completa em torno do núcleo a cada 200 milhões de anos, à velocidade de 225 Km/s, estando localizado a cerca de 27 mil anos-luz do centro galáctico. Relativamente ao alinhamento há quem defenda que, mais precisamente, o Sol no Solstício de Inverno de 2012 atingirá um determinado ponto no fundo do Dark Rift e parecerá nascer do mesmo, do “Canal de Nascimento Galáctico”. É como se o Sol nascesse de novo do útero cósmico. Para alguns, a constelação de Cygnus é importante neste alinhamento: esta encontra-se localizada no topo do Dark Rift, podendo significar o local do nascimento cósmico.

Este alinhamento galáctico pode ser antes descrito como um alinhamento do Sol com o Dark Rift e 2012 indica o ano em que estes estarão alinhados, em conjunto com o fim do ciclo atual de Precessão. John Major Jenkins promoveu a ideia deste alinhamento cósmico, considerando que este é determinado pela Precessão dos Equinócios. Este movimento altera a posição dos Equinócios e Solstícios em um grau a cada 72,2 anos; a posição destes move-se 360 graus em 26 000 anos, o que significa que se movem 0,01 graus por ano. Por isso este alinhamento ocorre aproximadamente durante 36 anos, entre 1980 e 2016 - Zona de Alinhamento Galáctico.

Diz-nos que um novo Sol nasce, que um novo ano madruga, que um novo ciclo galáctico começa, que há uma transformação da Terra. O centro galáctico é grande, o Sol também é grande e os movimentos são lentos, um alinhamento entre o Sol e o centro da Via Láctea decorre durante muitos anos e o alinhamento entre o Sol e o Equador galáctico ocorre durante 36 anos.

De acordo com cálculos astronômicos recentes, o meridiano do Solstício coincidiu mais precisamente com o Equador galáctico em 21 de Dezembro de 1997. Deste modo, a ideia do alinhamento do Sol com o Dark Rift parece fazer mais sentido. Em várias culturas ancestrais, o Solstício de Inverno era comemorado: o menor dia do ano, a partir do qual a duração dos dias começa a crescer, simbolizava o início da vitória da luz sobre a escuridão. O Solstício de Inverno de 2012 parece ser uma data com significado especial na cosmologia maia, talvez relacionada com a Precessão dos Equinócios em relação a outros corpos celestes. Esta data pode ser um indicador de uma fase no período de transição entre eras – o processo de nascimento da nova era e o início do novo ciclo de precessão.

A humanidade não tem sido só cruel com a Natureza, mas também cruel consigo mesma na sua inconsciência até os dias atuais. É de pasmar a violência com que os seres humanos se tratam entre si, quando divergem em seus interesses e crenças ou quando simplesmente só pensam em ganhar, sem se interessar quem ou o que está perdendo. A história da Humanidade é cheia de guerras, chacinas e aniquilamentos, a vida cotidiana da maioria das pessoas sofre diversos tipos de violência. Na atualidade, torna-se prioritário a necessidade do desenvolvimento e reconhecimento do jeito feminino de ser, como melhor forma de encarar os desafios e as questões emergentes que nos castigam na atualidade. E é uma coincidência cósmica ou fato já predeterminado que a Lua como regente astrológico dos temas femininos, do lado sentimental, da mulher e da sensibilidade da alma, seja a regente do ano 2012, que mesmo que não seja prenuncio de nenhum fim ou transformação radical, é um ano que já vai de qualquer forma ficar pra história. E como buscador que sempre fui eu aprendi que tudo que grafa sua marca no tempo tem algum principio importante e pertence a alguma coisa grandiosa. Assim um ano que gerou tanta falação, filme, histórias e livros, certamente, alguma coisa, mesmo que não venha a ser percebida no nível consciente, vai revelar pra toda humanidade e o planeta.

Os fenômenos que estão acontecendo no Universo, estão criando uma pressão energética suficiente para promover transformações positivas na expansão da consciência, mas se insistir no que sabe que é negativo a este movimento, não conseguirá lidar com a energia e entrará no desespero e no baixo astral. Habitualmente os trabalhos espirituais lidam com hierarquias e incluem relacionamentos com outros humanos. A hierarquia e os relacionamentos mexem com conflitos de personalidade, como a programação de personalidade na infância e os diversos traumas de criação. Cada um tem que descobrir imediatamente seu grupo espiritual, assim como o jeito de trabalhar sua emoção.

Ao mesmo tempo em que as forças da Natureza se manifestam a favor da vida, em momentos de fúria, ela destrói tudo e homenageia a Morte. A Humanidade, na sua multiplicação e luta egoísta e desesperada pela sobrevivência, violentou todos os ecossistemas do planeta e o caos que isto gerou é tão grande, que é difícil imaginar uma solução, a não ser, se vinda de um Plano Superior. Agora, com Netuno em Peixes esta rede será ativada na sua intensidade máxima. Todos ficaremos apaixonados uns pelos outros, o amor reinará em todos os relacionamentos.

A cada dia se fundem ciência, espiritualidade e arte. A linguagem da arte está por ser consagrada como a língua oficial. Desenvolva seus talentos artísticos, acorde e durma na celebração e na adoração ainda que esteja diante da sua Sombra. O que se pode afirmar, é que as condições ambientais criadas pelo impacto da espécie humana estão provocando mudanças hostis a vida em geral, especialmente a própria vida humana. Mas nunca nada, que o próprio Ser Terra não pudesse mudar se fosse a sua vontade. O projeto humano no planeta Terra é comandado, evidentemente para mim, por uma inteligência superior, que deve ter controle total da situação geral. A entrada de Plutão em Capricórnio vai revelar o grau do impacto que a espécie humana está provocando na Terra, nos seus ambientes e sistemas, prejudicial para a vida em geral. Cabe a nós encontramos em conjunto solução para estes desafios.

O grau de consciência individual e social atual, em geral, é menor que o solicitado pela complexidade dos desafios que vivermos, e assim cometemos muitos erros e faltas que se refletem nos impactos negativos que provocamos em nós mesmos e no ambiente. O ser humano criado e educado na carência e na falta pode se tornar em verdadeiros monstros devastadores. Assim, nossos espíritos iluminados tem que conseguir assimilar a situação alcançada pela família e a sociedade onde nasce, e movidos pela força e luz da alma, irmos vencendo os desafios que correspondem a nosso carma individual, familiar e social.

Muitos astrólogos de revistas vivem pregando por ai que a Era de Aquário é uma era de "liberdade" de um novo arranjo social onde o homem vai se confraternizar melhor, mas a simbologia oculta de Aquário não é bem assim. Na verdade essa vibração cósmica tende mesmo a agrupar as pessoas e a sociedade forma novos objetivos no mundo, no entanto com o arranjo dos demais planetas exteriores e o lado sombrio desse signo, não tenho duvida que muitas entidades falsas, manipuladas por líderes mentirosos, como por exemplo, religiões sensacionalistas, demagogas que usam o nome de grandes mestres pra manipular serão num numero muito maior que os movimentos verdadeiros!

Carlinhos Lima - Astrólogo, Tarólogo e Pesquisador.

[Retirado do blog Climazen - Umbanda Astrológica, por Carlinhos Lima].


FELIZ ALINHAMENTO GALÁTICO! 

Lua Minguante

Link

Uma curiosidade a respeito dessa Lua: ela inverte de posição no Hemisfério Norte pro Sul e com a Lua Crescente. No Hemisfério Norte, essa Lua decresce da direita para a esquerda, formando um "C" quando está quase Escura (nova); enquanto a Lua, ainda no Norte, cresce da direita para a esquerda, formando um "D" quando está no Quarto Crescente - foi dessa associação que nasceu o símbolo )O(: crescente, plena, minguante/decrescente. Dessa forma, se diz que a Lua, no Norte, é mentirosa: ela forma um D (de decrescente) quando cresce e forma um C (de crescente) quando míngua/decresce. Já no Hemisfério Sul isso se inverte. A lua cresce da esquerda para a direita, formando um "C" no início de seu crescimento; enquanto também decresce da esquerda para a direita, formando um "D" em seu Quarto Minguante. Desse modo, o símbolo correto para a Tríplice Lunar no Sul seria (O): crescente, plena, minguante/decrescente. Assim, no Sul, a Lua não é mentirosa.



Essa Lua vai desde quando a Lua começa a minguar, em geral a partir do segundo dia cheia, até um dia antes da Lua desaparecer, se tornar escura (nova). Mas o pico de poder dessa Lua acontece no Quarto Minguante, data em geral especificada pelos calendários comerciais. 

Se a Lua Crescente é Jovem, A Lua Plena é Mãe, sobrou-nos a Lua Minguante como Anciã. Essa é um arquétipo curioso e muitas vezes incompreendido. A Lua Minguante representa o final do Ciclo, a preparação para a Lua Negra, para a Morte e Renascimento, para aquilo que não podemos ver ou sondar. Por isso, ela nos fala do que é preciso ser feito. A Anciã já amadureceu e obteve toda a experiência necessária para saber o que é certo e errado, se tornando a Conselheira. Mas ela também não mais se preocupa em ser cândida e carinhosa como a Mãe, ela é severa se precisar ser, meiga se precisar ser, e faz aquilo que é certo, muitas vezes em detrimento do que se tem vontade.

Desse modo, a Anciã nos fala da verdadeira amizade, sincera. A sinceridade é a marca grandiosa dessa Lua, doendo ou amortecendo, ela jamais deixará de agir pela prudência, certeza, verdade e necessidade.

Essa Lua também pode nos indicar um lado perverso, como o amargor de uma velhice rabugenta ou decorrente de uma vida solitária e depressiva. Portanto, algumas vezes essa Lua nos falará de seu lado Megera, em contraponto a candura da Jovem - quem em outros momentos pode se mostrar Rebelde, em contraponto a serenidade da Anciã. Mas é esse lado Megera que temos que nos precaver. E não é difícil fazer isso. Se formos amorosos e dedicados com o que nos propomos, certamente essa Lua não terá razão para se mostrar como Megera para nós, pois terá recebido de nós durante seu Ciclo aquilo que prometemos e a Ela direcionamos com amor e presença.

Por outro lado, essa é a última Lua antes da Lua Escura, antes do Ciclo se findar e reiniciar. Por isso é a Lua que, assim como mingua no céu, promete minguar com aquilo que é preciso deixar para trás para podermos prosseguir e renascer. Desse modo, ela nos convida a uma reflexão a respeito da nossa vida e a tomar as decisões que não foram tomadas e que tão necessárias se mostram. É por essa razão que essa Lua é recomendada para todo o processo ou trabalho que precise indicar um fim, uma despedida, um término.

Assim, para comemorar / canalizar essa Lua eu recomendo em primeiro que você se junte aos seus, aos amigos realmente amigos em sua vida. Em segundo, inicie um processo de reflexão a seu respeito e a respeito de sua vida. Assinale os pontos que você quer e que você precise mudar, nos âmbitos que forem de sua vida. Então encontre algo que simbolize todas essas coisas juntas, ou separadamente. Pegue esse(s) objeto(s) e mentalize tudo o que você quer minguar ou eliminar. Então separe-os em seu altar ou no centro de seu círculo, junto com uma vela roxa, água, sal e um incenso purificador (ananda, benjoim, arruda, sete ervas, lavanda). Faça um círculo de sal em volta do local. No centro coloque os objetos, a vela roxa, a água, o sal, o incenso, um caldeirão com elixir de fogo e um cálice com água. Tome um banho de ervas (recomendo uma mistura de arruda, benjoim, alecrim, erva cidreira). Depois do banho, entre no círculo, volte a meditar e a fazer uma reflexão a respeito de sua vida, fixe nas coisas que você precisa eliminar ou minguar em você. Então, acenda a vela e invoque os poderes dessa Lua:



Lua que de serena e megera se faz
Seja a minha amiga
Reabra minha vida!
Ensine-me a mudar o que tem de ser mudado
E me faça deixar para trás o que deve ser apenas passado!
Minha Anciã de grande poder,

Te invoco nesse momento
Que seja tua energia a me preencher.
Amiga queria,
Sempre bem-vinda,
Me aconselhe e me guie,

Me ensine e ilumine.

Que eu possa meus defeitos enxergar
E toda negatividade expulsar...
Que com tua ajuda e guia eu venha a renascer

Do jeito exato que devo ser!"

Acenda em seguida o caldeirão de fogo. Se purifique com a água salgada (três pitadas de sal mexidas nove vezes em sentido horário), e com o incenso e mentalize que toda a negatividade está sendo consumida e transformada pelo fogo, assim como tudo o que você quer banir. Então pegue o(s) objeto(s), e volte a mentalizar tudo o que já mentalizou antes, e quando sentir que deve, se desapegue dele(s) jogando-o(s) no fogo. Veja e sinta tudo se consumir e transformar, dentro e fora de você. Quando terminar, faça a Meditação da Árvore, fixe sua energia com a Terra, tome a água do cálice e se abra para o renascimento e para a condução dessa Lua em sua vida. Quando tudo terminar jogue os restos em um rio ou água corrente.


FELIZ ESBBATH!

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Lua Sangrenta (Eclipse Lunar)

Link

Temida por alguns, admirada por outros... A Lua Sangrenta acontece no eclipse lunar (que geralmente ocorrem quatro vezes por ano). Ela recebe esse nome porque a Lua adquire uma coloração avermelhada, geralmente enevoada, lembrando um sangue escorrendo dela. Essa é a imagem da menstruação feminina que desce após a plenitude do ciclo da mulher quando ela não é contemplada com a gravidez.

Assim sendo, a Lua Sangrenta nos remete a acontecimentos que não deveriam acontecer se a contemplação fosse total, ela nos fala de um evento natural, sim, mas passível de ser evitado. Desse modo, ela nos indica energias de renovação e de finalização. É um ciclo que se finaliza, que se rompe, incompleto, mas terminado.

Entender essa Lua também perpassa pela compreensão dos eventos que a antecederam, por isso é um momento de grande reflexão e autoreflexão. É preciso entender os acontecimentos para compreender a plenitude do poder dessa Lua.

Perversa, sim. Negativa, não! A Lua Sangrenta, apesar de muito bela, é sim perversa. Ela vem com a ideia de rompimento, renovação mesmo que forçada. Mas seus frutos a curto, médio e longo prazos poderão ser muito positivos, afinal essa Lua trás um rompimento natural, que precisa ser feito, uma renovação necessária.

Mas nesse momento precisamos tomar cuidado com os sentimentos negativos em nossos corações, eles se amplificam e essa Lua também trás consigo a regência da Lua Plena. Se relacionarmos esses eventos, entendemos o poder dessa Lua. Ela pode nos trazer uma renovação incrível, mas também tem um poder de destruição irremediável. É preciso tomar cuidado com o que se deseja nesse dia e nutrir-se dessa Lua apenas o necessário para prosseguir bem, com equilíbrio e harmonia.


Bons conselhos para celebrar essa Lua é uma boa meditação, avaliação e autoavaliação de tudo. Queimar coisas que você quer ou precisa serem deixadas no passado também é uma forma poderosa de se comemorar essa energia. Banhos de descarrego e limpeza são muito bem-vindos, e práticas de adivinhação, quando realizadas de forma delicada e buscando compreensão também são muito indicadas. Mas evite o scrying... E, se for conversar com a Lua, lembre-se que não é um bom momento para se fazer pedidos, apenas para deixar o passado no passado.

Tome um banho de ervas com sal (Comigo-Ninguém-Pode, Arruda, Alecrim, Benjoim e Losna são as mais indicadas). Prepare um espaço para meditação. Faça um Círculo de Sal em volta desse espaço e no centro coloque um Caldeirão de Fogo, uma vela vinho (ou preta), os materiais que desejar queimar (podem ser papéis escritos), um punhado de sal, e os instrumentos de adivinhação, se achar pertinente.

De preferência a meia noite, entre no Círculo, medite, reflita sobre a vida e sobre você mesmo e fixe-se nas coisas que quer deixar para trás. Invoque essas energias:

"Lua que de sangue se enche,
seu Ciclo precisa continuar.
Por essa razão tu derramas
essas energias que a tudo vem renovar!
Que essas energias,
Que teu sangue que escorre
também penetrem em mim.
Que eu possa ser limpo(a)
De tudo que no passado devo deixar.
Que saiam de mim agora
tudo aquilo que me impedir de continuar!

Lua que de sangue se enche,
Venha, venha me purificar!
Lua que de sangue se enche,
Venha, venha me renovar!
Lua que de sangue se enche,
Venha, venha fazer meu ciclo andar!"

Então, olhe para a Lua, fixamente, e sinta ela te limpando e purificando, levando de você tudo o que tem que ser levado. Acenda o caldeirão e queime tudo o que tem que queimar. Medite mais um pouco, sinta e tenha certeza da Lua te limpando. Evite pensamentos tristes, negativos ou rancorosos. Faça as atividades de adivinhação, ou o que mais se propôs. Então finalize tudo, deixe a vela e o caldeirão apagarem, tome o banho com ervas e durma. Jogue os restos fora em água corrente até o próximo pôr-do-sol. Evite lembrar do ritual, deixe com que ele aja em você e renove você mesmo sua vida.

Para os que se interessam, esse é um momento ideal para exorcismos, apesar de que, a energia negativa presente na pessoa terá mais força para lutar também. Mas o que for mandado embora quando a lua sangra dificilmente volta.


FELIZ ESBBATH!

Lua Plena (Cheia)

Link

Essa Lua só acontece uma vez por mês lunar... Nosso calendário comercial costuma colocar essa lua marcada em um período de 7 dias, mas de fato a Lua só é Plena por um único dia, quando ela está totalmente aparente no ápice de seu Ciclo. Nos demais dias, a Lua está ou crescendo ou minguando ou escura. Geralmente o dia do seu pico é marcado em nosso calendário comercial como sendo o dia de entrada da Lua Cheia.

Se a Lua Crescente é Jovem, a Lua Plena é Mãe. O arquétipo incorporado a essa Lua, desde seu simbolismo (redondo como o ventre de uma mulher grávida) até suas influências.

A Lua Plena nos fala do ápice de nossas capacidades, físicas e espirituais; de nosso momento mais sublime, de nossa missão e força. Mas, também como Mãe, ela nos guia e conduz, nos consola e reergue. Ela ilumina nossas noites, nossos corações, nos revela o mundo sombrio e nos faz vermos a verdade por trás dos véus.

Sua face Mãe é protetora e acolhedora... Destemida, pois fará tudo por seus filhos. É por isso que essa Lua costuma ser colocada como a Lua dos Desejos e a principal lua comemorada  por Bruxas e Bruxos. Ela toca nossos corações com amor, carinho, cuidado. Nos ajuda a ir além, guiados por nossos desejos e caminhos. Ela é pacífica, amorosa e cândida. Mas, como todo mãe, pode ser agressiva e cruel quando algo ameaça seus filhos. Ela nos ensina o caminho e, para além do sofrimento, nos consola com a verdade e carinho. Sua energia exalta em nós o que temos de mais poderoso e de mais forte e nos leva ao máximo de nosso próprio Ciclo.

É maravilhoso conversar com essa Lua e ver que ela realmente nos responde. Mas é preciso ter cuidado... Toda mãe faz as vontades de seus filhos, sempre que o pode. Pedir coisas para essa Lua pode ser de grande certeza o seu recebimento. Portanto, é preciso tomar muito cuidado com o que se deseja nesse dia, nossos sentimentos e emoções estão aumentados, mas é preciso ter discernimento, e ser razoável. Eu sempre aconselho a se pedir as coisas entregando a sabedoria responsável por nos presentear com esse milagre o juízo entre dar-nos ou não o que solicitamos, bem como o quando e o como receberemos essa dádiva. Pois nem sempre o que queremos é certo e nos será bom a médio ou longo prazo.

As Deusas de regência dessa Lua seguem muito bem seus arquétipos, em geral ligadas a fertilidade e a terra, como Danann / Dana / Danù / Anann / Ana / Anù / Don (a grande Deusa Mãe Celta). Mas nem todas as Deusas ligadas a essa Lua são mães no sentido físico da coisa. É preciso, assim como para as Deusas de arquétipos Jovem e Anciã, perceber que - apesar da estreita relação em nosso mundo mundano - os arquétipos marcam personalidades e posturas, não simplesmente ou apenas questões fisiológicas. Podemos ter uma mãe em um arquétipo Jovem, ou Anciã. Podemos ter uma velhinha Jovem, uma jovem Anciã e por aí vai. A incorporação dos arquétipos está para além da fisiologia a eles relacionada, apesar de muitas vezes essa combinação dar certo.

Desse modo, o arquétipo da Mãe está sempre ligado ao carinho, amor, fertilidade, superproteção, acolhimento e aos pedidos, muitas vezes de forma obstinada.


Para internalizar as energias dessa Lua é preciso primeiro aprender a identificá-la no céu. Reconhecer quando a Lua está plena ou não é essencial. Em seguida é preciso, com tempo e paciência, saber ler seus sinais, suas marcas (nuvens, névoas, círculos de luz, ...) e saber ver, sentir e ouvir dentro de si mesmo essa Lua, pois para conversar com ela será preciso entendê-la. Isso denota tempo, mas será um conhecimento mais que valioso. A dica é, observe a Lua todos os dias, converse com ela, medite sob sua luz e tente, pouco a pouco, entender suas respostas, sentir suas respostas em você mesmo.

Quando você for capaz de fazer isso, prepare um espaço sob a luz dessa Lua. Junto coloque um cálice ou copo com água e uma vela branca. Atividades de adivinhação são muito poderosas nesse dia, uma boa dica é usá-las: pêndulos, tarôs, bolas de cristais ou mesmo o scrying (que descreverei abaixo).

Tome um bom banho com Alfazema e Alecrim e, de preferência a meia noite, acenda a vela. Medite um pouco, tente sentir a energia da Lua e então a invoque, ou se preferir, invoque alguma Deusa de sua regência.

"Lua que Plena reina nos céus
Luz que guia mesmo nas estradas mais escuras.
Poder que afugenta todo o medo,
Mãe amiga que me abriga em seu peito.
É a ti que chamo nessa noite de poder!
Graciosa e esplêndida és.
Em sua plenitude e força nos contempla, nos eleva!
Mãe querida que sempre acolhe e protege teus filhos
é como filho teu que te chamo.
Venha, venha minha mãe grandiosa,
Atenda-me como filho,
Adentre meu coração e eleve minha mente.
Esteja em mim e comigo
E faça-me te sentir aqui
sempre ao meu lado.
Abençoe-me, ó bendita entre todas as Mães!"

Então converse com a Lua, mesmo que em silêncio, e veja, sinta sua resposta. Rituais de cura e prosperidade são excelentes nesse dia. Quando terminar, realize sua atividade divinatória, se quiser. Por fim, beba a água e sinta-se internalizado, conectado e ligado a essa Lua e a seu poder. Vá dormir depois e evite pensar na conexão, apenas viva-a.


SCRYING:

Scrying é o ato de ver, o ato da vidência, pouco usado para adivinhação, mas também possível. Você pode usar cristais, espelhos, fogo, fumaça ou água (recomendo o espelho d'água). Comumente usado na Lua Plena esse método permite ao vidente ter visões a respeito de acontecimentos ou de mensagens espirituais.

O primeiro passo é decidir qual meio usar, se vai usar algum cristal consagrado, espelhos, fogo (recomendo uma fogueira ou caldeirão de fogo), fumaça ou água (recomendo o espelho d'água). O importante é posicionar esse meio sob o luar. Meditar e relaxar um pouco, abrir sua visão e mente. Então Puxe a Lua para Baixo (método descrito abaixo) e se concentre no cristal, espelho, fogo, fumaça ou água. Fixe-se sua visão até que a visão te chegue. Quando finalizar, escreva-a em algum lugar para não perdê-la e finalize seu ritual.

Poços antigos, no mundo inteiro, foram usados para essa prática, assim como fogueiras, cálices com água, vinho e outras substâncias. Em geral, costuma-se usar o espelho d'água para esse fim, mas não é lei. Uma dica bem simples para quem quiser usar a água é pegar uma bacia prateada, de preferência de fundo espelhado, e enchê-la de água. Você pode usar qualquer coisa para fazer o srying, mas precisará ter desenvolvido sua visão como descrito na Meditação V proposta no blog. Quanto mais desenvolvida for sua visão mais fácil será para você ter suas visões, independente do local. Mas a dica é: procure o meio que mais te simpatize ou que mais tenha efeito com você.


PUXANDO A LUA PARA BAIXO:

Essa é uma prática, considerada por alguns como exclusividade feminina - mas não para mim, penso que qualquer um possa usá-la - que pode ser adaptada para a canalização de qualquer energia com a qual você já esteja familiarizado, internalizado. Assim sendo, no caso da Lua, será preciso estar familiarizado com a Lua Plena antes de executar essa prática.

Ela é bem simples. Medite um pouco, relaxe seu corpo e mente. Feche seus olhos e imagine uma enorme Lua Plena sobre sua cabeça, imagine e sinta que ela é real (você pode fazer o mesmo processo só trocando a imagem caso queria canalizar outra energia). Quando conseguir imaginar e sentir com firmeza a Lua, abra seus olhos e olhe para cima, para a Lua e sinta-se conectado com ela, ela agindo por você e através de você. Então realize a ação que se propôs.

Mais uma vez, será essencial que você domine a Meditação V.



FELIZ ESBBATH!

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Lua Crescente

(link)

Uma curiosidade a respeito dessa Lua: ela inverte de posição no Hemisfério Norte pro Sul e com a Lua Minguante. No Hemisfério Norte, essa Lua cresce da direita para a esquerda, formando um "D" quando está no Quarto Crescente; enquanto a Lua, ainda no Norte, decresce da direita para a esquerda, formando um "C" quando está quase Escura (nova) - foi dessa associação que nasceu o símbolo )O(: crescente, plena, minguante/decrescente. Dessa forma, se diz que a Lua, no Norte, é mentirosa: ela forma um D (de decrescente) quando cresce e forma um C (de crescente) quando míngua decresce. Já no Hemisfério Sul isso se inverte. A lua cresce da esquerda para a direita, formando um "C" no início de seu crescimento; enquanto também decresce da esquerda para a direita, formando um "D" em seu Quarto Minguante. Desse modo, o símbolo correto para a Tríplice Lunar no Sul seria (O): crescente, plena, minguante/decrescente. Assim, no Sul, a Lua não é mentirosa.


Indo do segundo dia de lua nova no calendário até a chegada da Lua Plena, mas tendo seu pico no quarto crescente - é preciso lembrarmos que a Lua só é Escura (nova) quando desaparece totalmente em sua sombra, e a Lua só é Plena quando está totalmente aparente no céu, nos demais dias ela está sempre crescendo ou minguando -; a primeira Lua do Ciclo é aquela que segue rumo a si mesmo. Ou seja, é a Lua que representa a face e o arquétipo da Jovem: obstinada, progressiva, destemida, ousada, enamorada e sonhadora.

Essa Lua nos fala de força, de força para lutarmos pelos nossos ideias e pelas coisas que precisamos lutar. Mas ela também nos fala de impulso, de obstinação e, em alguns casos, de obsessão. Por isso é preciso tomar cuidado para não deixar esse lado de luta, força, reconstrução se tornar uma luta sem um prol justo e um destino obsessivo e negativo.

As influências dessa Lua regem os recomeços, as paixões, a luta e tudo o que esteja ligado a jovialidade como sonhos, ilusões, obstinações, busca por verdade e caminho até si mesmo. Essa é a face que todos tem que passar ao entrar no caminho mágico. Todos precisam se iludir, sonhar e correr atrás, até para prosseguirem com tranquilidade e longevidade depois. É preciso se apaixonar para conhecer o amor; se enraivecer para conhecer o ódio; sofrer para descobrir a alegria; se machucar para conhecer a cura...

O arquétipo da jovem é impulsivo, direto, desejoso, amigo incondicional, disposta a tudo para alcançar seus objetivos. Também é apaixonado e rege as loucuras por amor ou mesmo o amor mais cândido e romantizado, capaz de lutar ou de amar docemente. Ela também é forte e destemida. É jovem, está em sua força plena, sem medo e sabe que pode ir longe se quiser... Mas também é imatura e acaba sofrendo influencias da raiva, do ciúmes, do medo e de seus erros, necessitando aprender com si mesma e buscar seu equilíbrio e experiência.

A magia dessa Lua é indicada para aqueles que estão (re)começando algo, seja lá o que for. Indicada para aqueles que se impulsionam nos sonhos e ilusões da paixão, para os que obstinam conseguir algo ou para aqueles que buscam encontrar e conhecer a si mesmo.

Entretanto, como a primeira Lua do Ciclo é essencial que todos passemos por ela e por suas energias, assim é importante internalizar suas energias.

Para internalizar as energias dessa Lua faça uma meditação simples. Tome um bom banho com Comigo Ninguém Pode, Arruda e Alfazema. Então, a noite, de preferência sob a luz e visão da Lua, separe um cálice com água e acenda uma vela rosa - incensos florais também são muito indicados. Invoque o poder dessa Lua ou de uma Deusa que absorva esse arquétipo (Brigit, Flidais, Bloddweed, Artemis/Diana, Persefone/Proserpina (no reino dos vivos), entre outras tantas).


"Lua que cresce tão formosa.
Obstinada em seu destino tu segues...
Te peço tão gentil e alegremente,
Leve-me contigo!
Dê-me tua força e abra meus caminhos.
Que eu possa começar a estrada
Que eu possa ir cada vez mais longe nos meus anseios,
Que eu conheça meu destino e que meus passos me conduzam até ele.
Que por tua força e poder nenhum obstáculo possa me deter...
Que meu coração saiba amar com romantismo
E que eu saiba lutar por tudo aquilo que está em meu destino.
Então Lua querida, Jovem irmã e amiga,
Que sua energia me faça e me preencha
E que estejamos unidos, agora e sempre!"

Então medite por um tempo, sinta a energia dessa Lua te contagiar e deixe com que ela penetre em você. Quando regressar, beba da água consagrada a Lua para firmar sua ligação. Deixe a vela queimar toda e se dedique a afazeres normais. Evite pensar no que acabou de fazer, deixa que se faça por si mesmo.

Uma Jovem energia a todos!

domingo, 11 de novembro de 2012

Eclipse Solar e o Sol Negro

Link

Primeiro é importante diferenciarmos o Eclipse Solar do Sol Negro: todo Sol Negro é um Eclipse Solar, mas nem todo Eclipse Solar é um Sol Negro. Esclarecendo, o Sol Negro só acontece quando o Eclipse Solar é total e a lua se centraliza totalmente no Sol deixando uma mancha negra ao centro rodeada de um anel perfeito de luz. Esse evento é extremamente raro e praticamente incalculável sua ocorrência. Já o Eclipse Solar é toda vez que Lua e Sol se encontram, ele pode ser Total, quando a Lua tampa em sua totalidade o Sol, ou Parcial, quando a Lua não tampa totalmente o Sol.

Desde a antiguidade esse evento é considerado mágico, místico e poderoso. Adorado e temido por muitos... O Eclipse Solar junta as energias do Sol e da Lua em uma simbiose perfeita e enriquece nosso planeta com uma energia mágica incalculável, afinal é a junção de nossos astros de maior poder e influência. Mesmo nos lugares em que o Eclipse não pode ser visto sua força pode ser sentida; claro que ele é mais forte em seu foco, mas todo o planeta pode se embriagar dessa energia. E obviamente que seguindo esse raciocínio, quanto mais total for o eclipse mais poderoso ele será, até chegar ao seu ápice: o Sol Negro.

Para muitos hoje o Eclipse é um encontro romântico, mas ele nem sempre foi previsto assim. As profecias a respeito do Eclipse sempre indicaram rompimento, catástrofes e renascimento. Nesse momento, as Trevas se sobrepõem a Luz em um momento que não é de sua regência e isso indica grande poder. Assim como a Lua Escura nos fala de nossos lados sombrios, do recomeço e do domínio das Trevas, o Sol Negro nos intensifica esse domínio, pois aqui as Trevas literalmente dominam a Luz.

Os místicos costumam acreditar que isso não é de todo mal, afinal, para a grande maioria, a vida veio da morte e não o contrário, assim como o dia nasce da noite e não a noite que segue o dia. Desse modo, não importa o quanto as trevas e o caos dominem, deles sempre nascerá a luz e a ordem, um recomeço, uma nova era... É assim que o Eclipse Solar se apresenta: uma transformação. Rompimento com o passado, a destruição do velho para a entrada do novo - mesmo que seja uma destruição forçada.

Mas o eclipse não seria de todo ruim, afinal, apesar de nos indicar catástrofes, rompimentos e um recomeço, ele também enriquece nosso mundo e a nós mesmos de energias; energias necessárias para a manutenção de toda a Ordem, que realinha o universo, o cosmos, nosso planeta e a nós mesmos: primeiro nos fazendo lidar com aquilo que devemos lidar, nos levando a deixarmos o passado no passado; depois nos enriquecendo com o recomeço, com novas oportunidades, com um caminho limpo e livre a frente; e, por fim, nos enriquecendo de plenitude. Lembremos aqui que é na escuridão que habita nosso ser mais puro, com seus desejos, verdades, sofrimentos e alegrias; é esse ser que o Eclipse vem energizar.

Desse modo, é bom nos prepararmos para esse evento mágico. Limparmos nosso ser de toda inveja e negatividade para que possamos ser energizados com harmonia e que essa energia ao inundar nosso íntimo possa nos trazer forças boas e positivas, nos realinhar com equilíbrio sem sentimentos negativos e perversos, criando uma perfeita comunhão com o equilíbrio universal, com o Ciclo, vendo no caos e vivendo nele um recomeço.

Antes de começar, prepare-se durante o tempo anterior ao eclipse, destrua de você toda negatividade e perversidade ou qualquer coisa que possam atrair os poderes destrutivos dessa Lua, para isso use o fogo ou a água corrente (rio). Pegue objetos, ou mesmo papéis escritos, que lembrem cada coisa que você está destruindo e destrua-os, sinta que por eles é destruído tudo o que você se propõe a destruir. E procure se preparar para o momento de forma equilibrada, para só atrair equilíbrio e prosperidade dessa Lua.

Depois você pode tomar um bom banho de ervas (Comigo Ninguém Pode, Arruda, Sálvia e Alecrim são bem recomendadas) para se limpar e começar tudo, mas faça isso antes, bem antes do horário do Eclipse. Na hora do eclipse, vista-se de roupas claras, de preferência brancas, trace um círculo de sal em volta de um bom espaço onde você possa meditar, se quiser pode ser ao ar livre ou em qualquer outro espaço. Acenda uma vela preta e coloque do lado uma libação (água, vinho e absinto são boas pedidas). Então, nutra-se de bons pensamentos e inicie uma meditação: comece com uma respiração rítmica (Respiração Diafragmática); em seguida se conecte com o universo (Meditação da Árvore) e quando estiver bem conectado, sinta e absorva as energias do eclipse, direcionando elas para onde você precisa dessa energia desconstrutiva e reconstrutiva. Quando voltar da meditação, beba da libação ainda mantendo a conexão, sinta-se conectada com esse fluxo universal, deixe a vela queimar toda, limpe tudo e volte a seus afazeres normais.

Pode fazer essas meditações de forma guiada se você estiver em grupo, e juntos, ou mesmo sozinho, bolarem encantos e rituais para equilibrarem e ajudarem a melhorar a vida em nosso mundo. Não é preciso nem pensar grande, ajudar nosso bairro, comunidade, trabalho já é um passo. Afinal de contas, bruxos também tem responsabilidades sociais com e para com a magia.

Enfim, lembre-se: é das trevas que vem a luz, da morte que vem a vida, da noite que vem o dia, do caos que vem a ordem. Não tenha medo e não nutra-se de nada que seja perverso, busque apenas o equilíbrio, sempre. No mais, permita-se viver e entrar nesse mundo negro de caos e desconstrução. Mas se mantenha em foco, afinal nada se faz por si só, se você não dominar o caos ele nunca se transformará em ordem. Que os Deuses Negros, regentes desse evento, possam sempre te guiar e conduzir...

Lua Escura e Lua Negra

Link

A Lua Escura e a Lua Negra são eventos muito falados e, às vezes, bem temidos e mal-compreendidos pelos bruxos. Diferenciando as duas, apesar da fusão dos termos já ser comum em decorrência da raridade da segunda lua, Lua Escura é a lua nova mensal, que geralmente acontece apenas um dia por mês, quando o céu está totalmente sem lua e ela se encontra envolvida na escuridão, sem face. Já a Lua Negra é quando a Lua Escura acontece na noite de Samhain (31 de outubro), um evento raríssimo e praticamente incalculável, dada a coincidência de datas, sendo Samhain um Sabbath de regência dos Deuses Negros e da face Negra da magia, e sendo a Lua Escura essa exata regência, a junção dos dois obviamente cria um campo mágico poderosíssimo. Entretanto, hoje em dia, uma virou sinônimo da outra, o que não é errado, mas é importante que saibamos diferenciar esses acontecimentos bem como a importância da verdadeira Lua Negra.

Mas o que realmente significa a Lua Escura? Tudo o que existe tem seu lado oculto, profundo, essencial, invisível. Em nossa vivência humana podemos enxergar nisso nossos sentimentos, nosso eu interior. Esse lado é sempre dual: ele pode ser maravilhoso ou horrível, alegre ou triste, bom ou mal, acolhedor/generoso ou vingativo/destrutivo. E é assim que essa Lua é. Ela indica esse lado oculto e secreto do universo. Como um quarto escuro que você nada enxerga, apenas sente, escuta e toca, essa é a Lua Escura: invisível, mas sensível, audível e tocável.

A confusão feita com essa Lua está na imagem de que ela seria uma face perversa, negativa e destrutiva. Essa é apenas uma de suas partes. E não podemos nos esquecer que foi do caos que nasceu a ordem; cientificamente falando foi e uma explosão sem igual que nasceu a maravilha de nosso universo, e é toda a destruição que algo pode ser construído. Então essa Lua é o fim e o início de tudo. Mas concordo, é preciso lidar com ela com cuidado, por ser invisível, não sabemos ao certo o que nos espera ao entrar nesse mundo, mas uma vez que nos habituamos a ele, certamente podemos lidar com ele da melhor maneira possível. O segredo é não ter medo, mas manter-se cauteloso.

Desse modo, essa Lua junta em si todos os arquétipos das demais faces: Jovem, Mãe e Anciã, ao mesmo mento que não pertence a nenhum esteriótipo, pois ela não pertence mais a esse mundo, mas sim a um outro, à morte, ao invisível. Sua marca é a regência da Morte, a mesma Morte que ensinou a magia e que gera a Vida, a mesma Morte para a qual toda a vida retorna. 

Os Deuses de sua regência são aqueles que nos falam de morte, renascimento, sentimentos, sofrimentos e guerras. Afinal, essa Lua também nos fala de nossos sentimentos, de nossos problemas, de nossos medos e desafios. Ao mesmo passo que ela nos incentiva, muitas vezes obriga mesmo, a lidarmos com tudo isso e, principalmente, acabar o que precisa ser acabado, resolver o que precisa ser resolvido, e deixar para trás o que tem que ser deixado. Em contrapartida, nossos sentidos, sentimentos, desejos, vontades e tudo mais que possamos sentir se intensifica nessa data, pois essa Lua nos leva até nosso interior, nosso eu profundo, escuro e secreto; e podemos encontrar com um eu belo ou terrível, depende do caminho que seguimos até lá, mas não teremos a opção de não confrontá-lo e lidar com ele. Mas depois de tudo isso, certamente encontraremos um recomeço, um belo caminho a ser trilhado, com as escolhas limpas e prontas para serem feitas. Se bem aprendemos com o passado, evitaremos caminhar por trilhas que nos levem a um eu terrível, se ainda não aprendemos, iremos nos deparar com ele novamente quando esse Ciclo se completar.

Essa é, pois, a regência dessa Lua: o caminho até o lado mais escuro, profundo e verdadeiro das coisas, para que possamos recomeçar depois. Mas teremos de lidar com todos os impulsos e sentimentos que temos, tanto físicos como espirituais e pessoais, e nesse caminho seremos guiados pelos - muitas vezes mal falados - Deuses Negros, regentes desse mundo de morte, verdade, profundidade, sentimentos, dualidades, impulsos; condutores entre os dois mundos:  visível e invisível. Muitas vezes mal compreendidos, por adquirirem em alguns momentos comportamentos impetuosos, impulsivos e agressivos, outras por falarem de morte e sofrimento. Mas precisamos nos recordar que muitas vezes é necessário agir sem exitar, outras agir sem pensar (pois o pensamento extremo também estagna), outros de manter o braço firme a qualquer preço; precisamos entender que todo sofrimento é um ensinamento para uma nova alegria e, principalmente, que sem a morte não há vida e que ela nada de mal tem. É nosso maior mistério, nosso maior chamado, nossa maior iniciação e nosso maior medo, mas também é nosso destino mais certo que precisamos acolher de braços abertos quando estivermos prontos e ela nos vier, afinal se ela a todos governa, porque não acolhe-la com júbilo?

Por fim, aqueles que viveram dessa Lua, assim como os que entendem e viveram Samhain, entendem como seu poder pode ser belo e necessário.


Para interiorizar essa Lua não é preciso muito. Comece buscando conhecer você mesmo, o que tem de bom e ruim e lidando com tudo isso, principalmente com seus sentimentos, sejam eles bons ou ruins. Por fim, se limpe de toda negatividade e tente aprender com o sofrimento. Tome um bom banho de ervas (Comigo Ninguém Pode, Arruda, Sálvia e Losna são muito boas). Acenda uma vela preta, em casa ou ao céu aberto mesmo, medite, profundamente. Tente encontrar tudo que em sua vida está mal resolvido, e tente encontrar suas resoluções. Depois desfaça-se de tudo em você que você precisa deixar ir. Através da meditação conecte-se com esse mundo escuro e de morte, conecte-se com essa energia, e com seu interior mais profundo. Se nutra das energias que você precisa, mas tome muito, muito cuidado para não se nutrir de pensamentos e atitudes perversas, afinal essa Lua é como a magia, ela existe, como você a usa é uma escolha sua. Quando terminar de meditar, beba uma boa libação (água, vinho, absinto ou bebidas fortes) internalizando toda essa energia. Então durma e deixe o sono e os sonhos te guiarem. Ao acordar, recomece sua vida, mantendo as energias, terminando o que tem que ser terminado e fazendo o que precisa ser feito, lidando, controlando e vivendo seus sentimentos e desejos, mas mantendo o foco, aprendendo e se transformando.

Você pode usar a energia dessa Lua para fazer encantos cuja regência se aproxime dessa Lua, pautados em transformação, superação ou em coisas muito pessoais. Métodos de adivinhação também são bem poderosos nessa Lua. Só tome muito, muito, muito cuidado com o que deseja nessa Lua. Ela pode não ser uma Lua de presença materializada, mas nem por isso ela deixa de ser uma Lua de ação, não nos esqueçamos que ela fortalece nossos impulsos e ímpetos e podemos acabar tomando atitudes que nos arrependamos depois e se isso acontecer, teremos de lidar com elas até que o Ciclo termine mais uma vez.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Mabon Sabbath

Link

Primeiramente, gostaria de me desculpar com meus leitores pelo atraso da postagem sobre Mabon. Mas estive muito enrolado com questões pessoais, profissionais e estudantis. De qualquer forma, ainda estamos no Tempo de Mabon...


Esse é o oitavo e último Sabbath da Roda do Ano que se inicia em Samhain. Sua regência é a ação de graças, é a última colheita terrena farta, momento da partilha mas também do racionamento. A Morte se anuncia e se aproxima, nos convidando a deixarmos o passado para trás e encontrá-la de braços abertos, para renascermos e nos renovarmos. Nesse caminho até seu encontro, somos também convidados a nos repensarmos, tomarmos as atitudes certas para além daquela que queremos... Somos chamados à meditação, cooperação, racionamento e planejamento. A fartura se expande mais uma vez para anunciar-nos a necessidade de nos precavermos para o que virá em seguida. A jornada certamente não será fácil, mas se realizada com maturidade, cautela, calma será certamente atingida com êxito. Mas para realizarmos nossa jornada devemos levar apenas aquilo que nos carece ser levado e deixar para trás, sem  exitar, tudo o que deve ser deixado. O passado deve morrer para o futuro chegar, mas que seja gravado na memória para não se repetir os erros... Assim, por fim, é tempo de meditação, planejamento e, principalmente, agir por aquilo que é certo e cooperar mutuamente com tudo e todos, para que tudo e todos passem pela morte com plenitude e suavidade.

Mabon: Comemorado em 22 de setembro, equinócio de outono (hemisfério norte), é o Dia de Ação de Graças; a última grande festa ou a última grande colheita e, principalmente, a colheita da uva e fabricação do vinho; o último suspiro de altruísmo. É o grande banquete final, mas também é o início do declínio, está na hora de começar, pouco-a-pouco, a deixar a colheita morrer, até porque o inverno (morte) começa a se anunciar. 


Mabon se torna assim um festival múltiplo: ele se faz em grandes banquetes e festejos, pois é o último momento de fartura e de alegria para festas e banquetes generosos; também é o dia de ação de graças, de cooperação e de aprendermos a olhar as pessoas e o mundo a nossa volta; mas também é momento de preparo, de tensão com o anúncio da morte, nos convidando então a tomarmos nossas decisões e a agirmos de forma a sempre fazer o certo para além do desejado.  É o predomínio da Anciã, ou seja, da amiga sábia e certeira, mas também da megera... Por isso, tomar as decisões certas podem marcar muita coisa na vida de todos nesse momento.

As mitologias a cerca de Mabon se variam dentro do mesmo padrão, o rapto ou a ida de algum Deus ou Deusa ruma ao Submundo, ao mundo da Morte. Desse modo temos entre os celtas a linda passagem de Angus Mac Og ou Mabon (o nome do Deus é pronunciado como "meibon", enquanto o nome do festival é pronunciado tal qual é escrito "mabon"). Os mitos contam que Mabon, filho da Deusa Mãe Modron, era um jovem muito bonito e amável por todos e pela natureza, pelos animais e plantas. Ele foi educado por sua mãe a manter um contato próximo e direto com a natureza, muitas vezes se misturando com ela, por isso, por onde ele passava as colheitas eram fartas, as flores suaves e belas, as árvores frondosas e ricas em frutos, os pássaros cantavam e as doenças eram curadas. Para além, sua beleza era prestigiada e desejada por todos, ele era um jovem de beleza e corações quase perfeitos. Um dia, na data do festival de Mabon, Angus foi raptado por Arawn, o Deus do Submundo, que invejava seus dons e beleza e também porque Arawn já havia cansado de ver apenas beleza e prosperidade por onde Angus passava... Quando Modron deu conta do sumiço do filho, colocou todos os seres e pessoas a sua procura. Após alguns dias, ela começou a ver a terra morrer, as folhas caírem e os animais se acolherem em suas tocas, ninhos e casas, então ela entendeu que seu filho realmente havia lhe sido tirado. Modron, apesar de triste, se confortou, pois havia ensinado tudo ao filho e sabia que ele seria amado, acolhido e viveria bem onde quer que estivesse. Mabon, honrando os ensinamentos de sua mãe e se mostrando um jovem muito experto, quando chegou ao Submundo de Arawn, se transformou em uma semente. A semente germinaria em breve e dela nasceria uma frondosa árvore e, junto com ela, Mabon estaria livre e de volta aos campos de sua mãe, que também o aguardava ansiosa...

Outra passagem celta nos fala de Cerridwen, Deusa da beleza e da sabedoria escocesa, mãe de Merlin (Tailesin). Segundo a lenda, a Deusa deixou uma poção da sabedoria, endereçada, Morfran, a seu filho que era muito feio e, por isso, a solução seria transformá-lo em sábio, cozinhando em seu caldeirão, essa poção renderia uma ou três gotas (há divergências) e todo o resto seria veneno. Assim, Ela deixou seu assistente, Gwion, mexendo e vigiando a poção e advertido de não bebê-la, quando a poção ferveu e espirrou três gotas que caíram nos dedos de Gwion que, por instinto, levou-os a boca, tomando a poção. Com a poção fazendo e feito e pela sabedoria que ela lhe proporcionou, Gwion sabia que a Deusa enfurecida iria atrás dele na intenção de matá-lo. Gwyon transformou-se em uma lebre e Cerridwen em um cão, transformou-se então em um salmão e ela em uma lontra. Por último transforma-se em um grão de trigo, mas a Deusa em corpo de uma galinha o come. Nove meses mais tarde Cerridwen deu à luz em Taliesin, o maior dos Trovadores Celtas. Depois de tê-lo em seu seio, não conseguiu mais matá-lo. Ela então o coloca dentro de um saco de pele e introduzindo-o dentro de uma pequena barca, que fica a deriva sobre as ondas. Elphin, filho de um rico proprietário de terras, salvou o bebê e lhe deu o nome de Taliesin (semblante radiante). A criança reteve todo o conhecimento e sabedoria adquiridos pela poção e tornou-se um importante e talentoso Druida e Bardo.

Por fim, deixo apenas registrado que, até o momento, esse é o único festival que não encontrei adaptações ou correlações dentro do calendário da Igreja Católica.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

A Lua Azul

(link)
O termo lua azul, se refere comumente à segunda Lua Cheia que ocorre num mesmo mês. A freqüência de acontecimento, é de 1 vez a cada 2 anos ou 3 anos. As últimas luas azuis ocorreram em 31 de maio de 2007 e 31 de dezembro de 2009. A próxima lua azul deverá ocorrer em 31 de Agosto de 2012 e as seguintes em Julho de 2015, Janeiro e Março de 2018, Outubro de 2020, Agosto de 2023, Maio de 2026, Dezembro de 2028... 
O fato se dá devido ao ciclo lunar de 29.5 dias, o que torna perfeitamente possível que em um mesmo mês sua fase se apresente cheia por duas vezes. Fevereiro é o único mês que não pode ter a Lua Azul, mesmo em anos bissextos. Inclusive é possível um ano não ter Lua Cheia no mês de fevereiro, nesses anos, acontece uma Lua Cheia no final de janeiro e a outra no início de março, ou seja 2 Luas Azuis no mesmo ano, em janeiro e março. Isto ocorre em média a cada 35 anos. 
A Lua Cheia acontece simultaneamente para todos os países, mas nem o horário nem a data são iguais. Por exemplo: uma noite do dia 31 de agosto na Europa já é manhã do dia 1 de setembro na Nova Zelândia. Então se acontecesse uma Lua Azul no dia 31 de agosto para um país na Europa , não seria Lua Azul no dia primeiro na Nova Zelândia, que iria ocorrer no final do mês de setembro.

De acordo com alguns historiadores, o nome Lua Azul foi criado no século XVI, devido ao facto de que algumas pessoas, ao observar a Lua, a viam azulada. Outras, no entanto, a percebiam  cinza. Muitas discussões ocorreram até se concluir que era impossível a Lua ser azul. Esse fato criou uma espécie de expressão linguística, e "Lua Azul" passou a ser sinônimo de algo impossível ou difícil. O termo ganhou força principalmente nos EUA e algumas frases como "só me caso com você se a lua estiver azul" foram rapidamente popularizadas. Foi com esse significado que o termo foi usado para designar duas luas cheias que ocorrem no mesmo mês, um evento raro. 
A primeira menção a Lua Azul surge num panfleto escrito na língua inglesa que dizia:"If they say the moon is blue, we must believe that it is true". Algo como "Se eles dizem que a lua é azul, nós devemos acreditar que isso é real". 
Historicamente, a lua azul era a terceira lua cheia que acontecia num quarto de ano em que houvesse quatro luas cheias. Normalmente, um quarto do ano tem 3 Luas Cheias. Sendo esses quartos de ano iniciados entre os dias 20 e 21 ou 21 e 22 de março (devido aos anos bissextos) coincidentes com a data do equinócio. 
Um erro de publicação numa época mais recente (1946) fez entender que a lua azul seria a segunda lua cheia que acontecesse num mesmo mês. Mesmo depois de descoberto o erro, como é mais fácil de se entender essa definição do que a outra, mais complicada, ficou popularizada a segunda teoria.
(texto retirado do Wikipédia)

A Lua Azul acontece, em média: uma vez a cada dois anos e nove meses; sete vezes a cada dezenove anos;  trinta e seis vezes num século. 

É chamada de Lua Azul, por ser a 2ª Lua Cheia dentro do mesmo mês. É um momento fantástico para trabalhar o eu interior, a religiosidade, a intuição e potencializar os poderes psíquicos. Ela é uma das Luas mais poderosas, excelente para consagrações, iniciações e casamentos.

Favorece ainda a prosperidade e a abundância como um todo. A Lua exerce incrível influência sobre nós uma vez que nosso corpo é constituído 70% de água e, essa influência atua no corpo emocional. Essa Lua também é a Lua dos Elementais ou das Fadas (como alguns a chamam), pois com seu evento os portais entre nosso mundo e o mundo dos Elementais ficam abertos essa noite. Por isso é sempre indicado que seja uma noite festiva com e para eles, em que você possa conversar, pedir coisas e dar mimos a eles.

Vou postar a seguir um conjunto de sugestões de coisas a serem feitas nessa Lua. Mas lembre-se que é um momento de cuidado e respeito, pois é uma data também dedicada as fadas que não são os seres mais dóceis do mundo como eventualmente são descritas [veja mais aqui].


CONSAGRAÇÃO DE OBJETOS:

É sempre indiciado consagrar ou reconsagrar seus objetos nessa Lua, seu poder intensifica tudo e pode intensificar a limpeza e sua consagração (também pode fazer aquela consagração e limpeza de sua casa ou de seu corpo: limpando bem a casa e enquanto limpa limpando também as negatividades e depois aspergindo água salgada e passando o incenso por toda a casa. A limpeza de seu corpo pode ser com água salgada, incenso e banhos - recomendo alfazema para esse dia).

É simples, você precisará de um copo com água, acrescente 3 pitadas generosas de sal e mexa no sentido horário por nove vezes. Pegue um incenso bem gostoso (sálvia é ótimo) e acenda-o. Acenda também uma vela branca ou um Caldeirão de Fogo (para o elixir recomendo que você coloque sálvia e losna).

Espalhe os objetos a serem consagrados ali em baixo. Se possível, faça isso no início da noite. Passe a água em cada um deles e incense-os; então passe-os sobre a chama ou próximo dela mentalizando a consagração que você quer (pode até recitar alguma oração de sua autoria ou que você goste que te ajude nesse momento). Feito isso deixe a chama apagar (pode ir fazer outras coisas) quando apagada, leve os objetos até o luar e deixe que eles durmam ali.

Se você for consagrar pedras e amuletos a Lua Azul, pode fazer isso e deixá-los imersos em água salgada (como a da receita acima) e deixá-los no luar a noite toda. Ao colocá-los eleve-os a Lua e peça, converse e invoque-a.


PREPARANDO UM PÓ DE FADAS:

Ingredientes:

  • 200 grs de leite em pó ou farinha branca,
  • 11 pétalas se rosa branca (secas reduzidas a pó ou bemmmm picadinhas),
  • 5 gotas de F5 (dos florais Kainnon) diluídas em álcool de cereais (30mls) e depois impregnadas em maizena - assim: pegue uma colher de sopa de maizena e coloque misturado no floral, fará uma pequena papa, depois deixe secar. 
  • A Maizena (amido de milho) que sobrar seca, coloque no pó.
  • Corante da cor das fadas, ou seja, só de brilho. 
  • Azul e rosa também são legais. Um cristal de quartzo.

Modo:

Numa noite de lua bem cheia e de preferência com céu estrelado, misture tudo e exponha o pó para a lua no mínimo por 30 minutos com o cristal encima (lembre-se de ter programado o cristal -  segurando ele entre as mãos e dizendo 3x: "Cristal de luz, cristal de poder, canaliza a lua para o meu querer!" e no caso...."quero a benção, o poder e o carinho das fadas").

Quando colocar o pó (sempre dentro de um pote transparente ou sobre um prato branco) recite:

"Fadas das flores, fadas da luz, fadas do planeta, fada que me conduz! 
Vinde todas vocês, vinde encantar, este pó mágico para com seu poder 
ele ficar!"

Agradeça por tudo. 

Também pode deixar ao lado do pó uma oferenda  (não é troca, é só mimo) de um bolinho de frutas e um copo de leite. Fadas adoram isso.

Como usar: 

Coloque uma pitada no seu leite ou doce preferido (doces brancos ou cor de rosa) e beba (coma).  Pode passar sobre o chakra ajna, assoprar no vento e  fazer pedido às fadas, colocar sobre fotos de crianças a serem protegidas. Trazer encanto em qualquer lugar (coloque nos cantos do espaço a ser encantado pelas fadas).


OFERENDA ÀS FADAS:

Nesse dia você pode também fazer uma oferenda às fadas, um mimo a elas. Use coisas bem doces, como cookies, bolos, leite e bastante mel, frutas também. Deixe tudo em seu jardim ou aos pés de uma árvore ou ainda junto a algumas flores. Ao deixar as oferendas converse com as fadas e peça sua proteção e auxílio.


RITUAL DA LUA AZUL:

Se você quiser e estiver em grupo ou mesmo sozinho, pode fazer um ritual pequeno para se energizar dessa Lua, preferivelmente ao ar livre, mas se não puder, faça em local fechado mesmo.

Faça uma mandala de velas. Deverá iniciar a mandala pelo leste (onde nasce o sol) com a vela branca. Os outros pontos: norte, sul, oeste, também deverão ter a vela branca. O círculo de velas no chão, livre de cortinas e correntes de vento, deverá ficar assim:

  • 1ª branca (leste)
  • 2ª vermelha
  • 3ª laranja
  • 4ª branca (sul)
  • 5ª amarela
  • 6ª marrom
  • 7ª branca (oeste)
  • 8ª verde clara
  • 9ª verde escura
  • 10ª branca (norte)
  • 11ª rosa
  • 12ª lilás
  • 13ª azul no centro da mandala (corresponde à 13ª lua)


Em volta do círculo da velas, faça um circulo com violetas de diversas cores ou com maças e ofereça com muito carinho e amor à todas as fadas com gratidão pela prosperidade.

Depois que acender as velas, faça a oração de Iniciação (sugiro que seja de sua autoria ou que busque orações que te agradem) em voz alta, isso invocará a energia da Lua Azul e das Fadas. Em seguida ofereça as violetas ou as maças a todas as fadas. De resto, acrescente esse ritual com o que você quer e precise, fazendo pedidos, conversando e se nutrindo dessa energia. Prepare uma libação, algo doce ou mesmo vinho é sempre mais indicado. Consagre essa Libação passando pelas velas e terminando ao centro, na vela Azul; e depois eleve-a aos céus comungando de toda a energia das Luas e da Natureza. Nesse ritual você pode fazer sua oferenda e depois festejar.

Como todo Esbbath, siga sua intuição! Dance, cante e incremente com feitiços e necessidades suas. Seja um dia festivo e mágico. Por isso o ritual é básico, só para acolher as energias da Lua, mas adeque-o às suas necessidades e propostas.

Se estiver em grupo, vocês podem terminar tudo recitando uma bonita bênção juntos, abençoando a todos. Mas festejem com músicas alegres e baseadas em flautas, as fadas adoram e, acima de tudo, conversem com as fadas, mesmo que em silêncio, elevem a elas seus corações.

As violetas ou as maças poderão ser ofertadas a clientes ou a pessoas amigas e queridas.
As sobras das velas colocadas em uma planta bem bonita.

(ritual baseado no exposto por Miriam Carvalho em "Somos todos Um")

Uma excelente Lua Azul a todos!!!
Paz e Bênçãos!