domingo, 19 de fevereiro de 2012

Paganismo - Uma introdução da Federação Pagã

Link

Salue meus amigos! Hoje não postarei um texto meu, como faço de costume. Postarei um brilhante e resumido texto a cerca do que é o Paganismo trago a mim por um de meus aprendizes, Caelumsanguinis. Acredito que esse texto resuma de forma muito boa o que vem a ser de fato o Paganismo, evidentemente, isso é apenas um resumo, mas vale, e muito, como um ponta pé inicial... Espero que contemplem! Paz e Bênçãos...



PAGANISMO

Uma introdução da Federação Pagã
 
Quem hoje conhece a antiga língua da Lua? Quem ainda fala com a Deusa?... Apenas as pedras agora lembram o que a Lua nos disse há tanto tempo atrás, o que aprendemos das árvores, as vozes da relva e os perfumes cheiros das flores.
(Tony Kelly, "Pagan Musings", 1970.)

O Paganismo é um modo de vida espiritual que tem suas raízes nas antigas religiões da natureza de todo o mundo. Tem suas raízes, principalmente, nas velhas religiões da Europa, muito embora muitos de seus adeptos também encontrem muito valor nas crenças nativas de outros países. Nós celebramos a santidade da Natureza, reconhecendo a presença da Divindade em todas as coisas: o vasto, incognoscível espírito que corre pelo universo visível e invisível. Essa crença na santidade de todas as coisas pode ser encontrada em todo o mundo. Os Pagãos a vêem como sua herança, interpretando muitas das convicções e valores de nossos ancestrais de uma forma adaptada a nossa vida moderna. Essas interpretações podem estar baseadas no folclore, em mitos ou em evidências arqueológicas. O que importa não é, necessariamente, a validade histórica ou a praticabilidade política de tais visões, mas para onde elas direcionam as energias, os potenciais e a criatividade humanas. 
Os Pagãos reverenciam a Divindade em todos os seus aspectos, masculino e feminino, como partes do todo divino. Cada homem, mulher e criança é, para um Pagão, um ser belo e único. As florestas e os espaços abertos, lar dos animais selvagens e pássaros, são bastante apreciados pelos Pagãos. O Paganismo enfatiza a experiência pessoal, e os Pagãos, muitas vezes, vivenciam tal experiência através de sua relação com o mundo natural que amam. O Pagão busca a união espiritual com a Divindade pela harmonização com os ritmos da Natureza e pela investigação de seu eu interior, contemplando o reflexo de um no outro. Nós acreditamos que devemos encontrar a Divindade em qualquer forma que a percebamos de forma direta e dentro de nossa própria experiência, e não através de algum intermediário. Embora alguns caminhos do Paganismo tenham seus líderes e instrutores, tais pessoas agem como "facilitadores", usando sua própria sabedoria e experiência para auxiliar e guiar aqueles que estão a seus cuidados, até que encontrem sua própria compreensão e sua interpretação da Divindade. Nossos ritos nos auxiliam a encontrar a harmonia com nossos ciclos naturais e com os ciclos do mundo, e, dessa forma, são sempre celebrados nos pontos de passagem das estações, nos pontos de mudança das fases da Lua e do Sol, e nos momentos de transição em nossas vidas.  
Há uma grande variedade de matizes no amplo espectro do Paganismo. Tal fato reflete a amplitude de nossa experiência espiritual, pois acreditamos que cada pessoa é única, de tal forma que a espiritualidade de cada um deva ser igualmente única. Alguns Pagãos seguem múlltiplos Deuses e Deusas, cujos nomes são familiares a todos nas páginas do folclore e da mitologia da Europa. Outros concentram-se numa Força Vital única, sem sexo definido, enquanto ainda outros devotam-se a um casal cósmico, a Deusa e o Deus, ou o Senhor e a Senhora. Nós celebramos nossa diversidade, pois acreditamos que cada pessoa deva encontrar sua própria espiritualidade de acordo com os ditames da tranqüila voz interior de sua própria alma. Por essa razão, respeitamos todas as religiões sinceras, e não fazemos proselitismo ou buscamos quem queira se converter. De outras fés e de toda a sociedade, nós buscamos apenas uma coisa: tolerância. 
Nestes dias de conscientização ecológica, os Pagãos estão freqüentemente na linha de frente da luta ambiental. Pagãos de todas as tradições respeitam os direitos de cada alma viva, seja humana, animal, vegetal ou mineral. Estamos sempre conscientes da relação de causa e efeito sobre as criaturas da Terra, tanto através de pensamento, quanto através de ações. Cada um de nós aceita sua responsabilidade, tanto espiritual quanto pelas coisas que fazemos.Encorajamos o livre pensamento, a imaginação criativa e a criatividade prática do ser humano, acreditando que são fundamentais para que vivamos em harmonia com o mundo natural. E nos alegramos que algumas de nossas antigas crenças pessoais possam agora ser compartilhadas com outras pessoas. Tais crenças são a herança de nossos ancestrais comuns e distantes e são, do mesmo modo, a preocupação de nossos descendentes.

E para aqueles que foram tocados pela beleza da Terra verde, da Lua branca e do Sol radiante para aqueles que amam o esplendor de toda a Vida, nós dizemos: você não está sozinho.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Dicas para comemorar Imbolc Sabbath (in 2012)


Link



Imbolc é a grande renovação. Tudo em fim recomeça. É o momento de abençoarmos nossas ferramentas de trabalho (sejam elas quais forem) e recomeçarmos a batalhar por nossos planos a todo vapor. Brigit, a Jovem, nos ensina os caminhos do sentimento, da persistência, da boa vontade e do trabalho sincero e verdadeiro. É isso que esse festival representa. É difícil falar muito sobre ele, ele é muito mais vivenciável do que explicável.

É o momento da cura, da verdade, dos inícios. A fertilidade retorna e junto com ela a esperança e também a luta. Brigit nos leva pelos caminhos da Luz, da verdade e da cura. Por isso abrir nossos caminhos para seu Fogo sagrado é um ótimo meio de recomeçarmos. Colocar nossos planos em ordem e persistir, sem reservas, nos deixar transformar pelo Fogo. Também é um momento poderoso para iniciações (mágicas, ritualísticas ou não), tudo o que se inicia nesse momento tende a vingar. E junto ainda é tempo das máscaras, das festas do regozijo em labor e, acima de tudo, da vida.

Nesse dia, é importante fazermos uma limpeza profunda e bem concentrada de tudo o que nos é valioso, destruindo o que não queremos por perto e renovando nossas metas, atraindo bons fluídos. Decorações floridas serão sempre bem-vindas. Se você ainda tem as decorações de Yule, esse é o momento de reuni-las, guardar as que devem ser guardadas e queimar as que podem ser queimadas. Uma boa libação para esse dia é a cerveja.

Cruz de Brigit - Link
Use esse dia para purificar sua casa e a você mesmo. Para isso, é sempre bom fazer aquela faxina, deixar tudo limpo. Então pegue sua heskuvita (besom) e comece a varrer a casa, recitando:

Com esta vassoura cheia de poder
O velho e o azedo estou a varrer.
O calafrio da morte varro com decisão,
Enquanto o Escuro exala a última respiração.
Rodo, rodo e rodo agora,
O velho e o imprestável eu mando embora!

Depois disso, termine sua limpeza normalmente. Consagre um pote com água salgada (200ml de água mais três pitadas de sal, mexidas 9 vezes no sentido horário), eleve o pote ao céus dizendo:

Consagro esta água e este sal,
Para que juntos, me livrem de todo mal

E borrife em cada cômodo da casa para que eles exorcizem qualquer mal presente. Então acenda um incenso (sálvia, arruda, alfazema, alecrim, benjoim – são sempre bons), consagre-o:

Consagro este incenso, de Fogo e de Ar,
Bons fluídos aqui vai deixar!

Então incense a casa cuidadosamente para energizá-la com coisas boas e positivas.

Após essa limpeza, tire um tempo para você, envolva-se na sua vaidade e limpe-se também. Pode tomar um banho de limpeza (das mesmas ervas talvez) e desenhar em sua testa e coração um pentagrama com a água consagrada e incensar a si mesmo. Pode fazer o mesmo com outros membros de sua casa ou amigos se quiser.

Outra dica para esse dia é a abençoar as velas que você usará no ano, bem como algum material que pertença ao seu trabalho, para também abençoar seu trabalho. Claro que você sempre gastará mais velas do que abençoará, mas ter um estoques dessas velas é sempre muito útil. Você pode também reconsagrar seus objetos mágicos. Para isso adapte os versos abaixo para os usos que melhor lhe convir:

Criaturas de cera e de luz, eu lhes abençôo agora
E mando toda negatividade embora.
Cumpra o seu propósito, ó chama; a reluzir
Impregnada de magia você há de servir
Como instrumento de luz e poder,
Embora pavio e cera continue a ser.
Dou-lhe uma vida de longevidade
Para ajudar na criatividade!

Por fim, acenda as luzes de sua casa por essa noite, ou se possível acenda velas, ou lanternas (de vela ou de fogo) no perímetro, nas portas e janelas de sua casa, convidando a Luz desse dia a entrar e a te abençoar, bem como a seu lar.

Para celebração, esse dia pede algo simples, uma meditação, retomada de planos e uma festa alegre e jovial, destemida e direta. Você pode também invocar os poderes de Brigit nesse momento:

Brigit nos traz agora a Luz,
O Escuro morre e tudo reluz!
E enquanto no leito, tudo aguarda então,
Todo passado desaparece no chão.
Pois o amor fertilidade trará
Outra vez para a Terra e assim será!

Depois disso, você pode juntar feixes de palha amarrados por uma fita preta, cada feixe simbolizando algo que você quer erradicar de sua vida (qualquer coisa), então mentalize uma a uma e queime no Caldeirão para que tudo possa ser exterminado.

Faça a libação repartindo bênçãos e alegria. Por fim, caminhe por fora de sua casa, relembrando momentos plenos e agradáveis, desenhe no solo, inscrito em um círculo, os símbolos do masculino (triângulo para cima) e do feminino (triângulo para baixo) recitando:

Envolvida pelo sol, a sua luz brilhará
E para o tempo do verdor da primavera guiará.
Enquanto os seus corações se misturarem em amor,
No céu a luz crescerá com todo o vigor!

Caso esteja celebrando em grupo, use esse momento para uma confraternização e para momentos alegres, se estiver só, dedique-se a coisas que te fazem bem, ou mesmo vá dormir. No dia seguinte, retome sua vida sem pensar muito, e corra atrás de seus planos.



Feliz Imbolc a todos!

Imbolc Sabbath


Link


É o terceiro festival da Roda do Ano, que se inicia em Samhain. É regido recomeço, pela jovialidade. A terra começa a se preparar para germinar. É o momento de iniciar as primeiras plantações, de voltar ao arado, quando tudo na vida recomeça para mais um novo Ciclo. Sua regência está no recomeço, na jovialidade, no fogo e na cura.



Imbloc, Oilmec, Immilch ou Candlemass (Candelária): Comemorado em 02 de fevereiro, é o festival do fogo e do leite, quando o inverno (hemisfério norte) ainda intenso, também anuncia seu fim. Nesse momento, falamos de sobrevivência. Por isso é o festival do fogo e da festa, das máscaras, pois o fogo é o grande início das civilizações e da magia, foi em torno dele que se contaram as primeiras histórias, os primeiros teatros, os primeiros encantos e rituais, as primeiras filosofias; e máscaras, pois todos voltam a um tempo inicial, e relembram o Cosmos (essência sem ser) a partir das festas. É festival do leite, principalmente entre os nórdicos, pois é o momento de maior produção de leite (gado) e queijo. É o período das grandes iniciações e transformações.

A jovialidade inspira cuidado, progresso e obstinação. A Jovem faz o que quer e quando quer, mas não trilha sem rumo. Por maior que seja sua loucura, a Jovem tem e terá sempre um norte, movida pelas emoções, pelo sentimento, mas um norte sempre visível. É o jovem que tem disposição para poder ir ao trabalho todos os dias, sonhando e programando um dia melhor ou um futuro esperançoso e é nas mãos dos jovens que depositamos nossa fé e esperança. Assim também é em Imbolc. É nesse Tempo que buscamos nossas certezas e que rumamos a nossos planos, não com clamor, mas com graça, alegria e irreverência. O medo da morte e sua sombra não mais faz parte de nosso momento, pois esse festival comemora a Luz, a verdade, a vida, a vitória.

É peculiar pensar que esse festival se encontra em uma relação muito mais celta do que de qualquer outro panteão, não por correlatos (apesar deles não serem tão evidentes), mas por se caracterizar como o fabuloso Brigit’s Day. Entre os nórdicos esse festival celebrava a abundância do leite e seus derivados, mas religiosamente, ele foi quase de exclusividade celta, até a intervenção da Igreja Católica. 

A lenda celta, na verdade, se inicia em Samhain, quando Cailleach encontra seu Cetro Mágico, e reina soberana espalhando o frio e a morte sobre a Terra. Durante seu reinado, Cailleach aprisionou Brigit em uma montanha, para que ela, como Deusa da vida e do Fogo, não atrapalhasse seu reinado. Entretanto, em Imbolc a jovem Deusa consegue fugir de sua prisão e recupera o Cetro Mágico que, sob suas mãos perde se tom preto e ganha um alvo tom. Com esse Cetro, Brigit espalha novamente o fogo e o calor, reanimando o Sol, e trazendo novamente a vida para a Terra, levando Cailleach ao seu exílio na floresta.

Brigit é a formosa Deusa da cura, do fogo, da vitória e da guerra. É a Tríplice Jovem, Deusa da liberdade, da gestação, da fertilidade, do recomeço. Seu tempo se relaciona com seus poderes e se dedica ao tempo de Imbolc como o Tempo do Fogo, sua marca mais poderosa, o Fogo da Cura e do recomeço. Ela nos convida a irmos além de tudo o que fomos para recomeçarmos com força total. Nos ensina, através da jovialidade e do carisma, a conseguir aquilo que queremos através do trabalho e da dedicação, por isso é a padroeira das iniciações e do trabalho dedicado.

Posteriormente, a Igreja canonizou a Deusa através da imagem de Santa Brígida, e fez sua igreja sob o Templo dos Três Poços da Fertilidade honrados à Deusa na Irlanda. O dia em que a Igreja comemora seu dia é o dia 01 de fevereiro, que ficou conhecido como Candelária, pela tradição de se colocar lanternas e velas sobre as janelas e portas para convidar a Deusa/Santa a entrar trazendo sua Luz, cura e bênçãos para aquele lar, bem como as antigas procissões das lanternas pelas ruas dos vilarejos, durante a noite de vigília iluminando as ruas e erradicando a escuridão e o frio.

Atualmente, pagãos e cristãos adotam esse nome cada um em sua honra, Candlemass tanto para a Deusa quanto para a Santa, que apesar de correlatas, não devem ser confundidas, por bem ou por mal, passaram a pertencer a credos diferentes.

Os simbolismos de Imbolc passam muito por esses detalhes. É possível que existam outras correlações dele com outros panteões, mas confesso ao caro leitor que eu desconheço, mas gostaria muito de conhecer, caso alguém possa contribuir com isso, serei honrado em aprender mais. Mas já posso dizer que a grande dica desse tempo é entender os mistérios do Fogo, mais do que como uma matéria, mais que um Elemento, mas como uma entidade. Entender os poderes da juventude e da renovação e o prenúncio do recomeço, do perdão são marcas que não devem jamais faltar nesse festival. Acredito, que esse, como Samhain, seja um dos festivais mais difíceis de serem explicados, porque são muito mais íntimo e vivenciais do que literários...