terça-feira, 27 de novembro de 2012

Lua Sangrenta (Eclipse Lunar)

Link

Temida por alguns, admirada por outros... A Lua Sangrenta acontece no eclipse lunar (que geralmente ocorrem quatro vezes por ano). Ela recebe esse nome porque a Lua adquire uma coloração avermelhada, geralmente enevoada, lembrando um sangue escorrendo dela. Essa é a imagem da menstruação feminina que desce após a plenitude do ciclo da mulher quando ela não é contemplada com a gravidez.

Assim sendo, a Lua Sangrenta nos remete a acontecimentos que não deveriam acontecer se a contemplação fosse total, ela nos fala de um evento natural, sim, mas passível de ser evitado. Desse modo, ela nos indica energias de renovação e de finalização. É um ciclo que se finaliza, que se rompe, incompleto, mas terminado.

Entender essa Lua também perpassa pela compreensão dos eventos que a antecederam, por isso é um momento de grande reflexão e autoreflexão. É preciso entender os acontecimentos para compreender a plenitude do poder dessa Lua.

Perversa, sim. Negativa, não! A Lua Sangrenta, apesar de muito bela, é sim perversa. Ela vem com a ideia de rompimento, renovação mesmo que forçada. Mas seus frutos a curto, médio e longo prazos poderão ser muito positivos, afinal essa Lua trás um rompimento natural, que precisa ser feito, uma renovação necessária.

Mas nesse momento precisamos tomar cuidado com os sentimentos negativos em nossos corações, eles se amplificam e essa Lua também trás consigo a regência da Lua Plena. Se relacionarmos esses eventos, entendemos o poder dessa Lua. Ela pode nos trazer uma renovação incrível, mas também tem um poder de destruição irremediável. É preciso tomar cuidado com o que se deseja nesse dia e nutrir-se dessa Lua apenas o necessário para prosseguir bem, com equilíbrio e harmonia.


Bons conselhos para celebrar essa Lua é uma boa meditação, avaliação e autoavaliação de tudo. Queimar coisas que você quer ou precisa serem deixadas no passado também é uma forma poderosa de se comemorar essa energia. Banhos de descarrego e limpeza são muito bem-vindos, e práticas de adivinhação, quando realizadas de forma delicada e buscando compreensão também são muito indicadas. Mas evite o scrying... E, se for conversar com a Lua, lembre-se que não é um bom momento para se fazer pedidos, apenas para deixar o passado no passado.

Tome um banho de ervas com sal (Comigo-Ninguém-Pode, Arruda, Alecrim, Benjoim e Losna são as mais indicadas). Prepare um espaço para meditação. Faça um Círculo de Sal em volta desse espaço e no centro coloque um Caldeirão de Fogo, uma vela vinho (ou preta), os materiais que desejar queimar (podem ser papéis escritos), um punhado de sal, e os instrumentos de adivinhação, se achar pertinente.

De preferência a meia noite, entre no Círculo, medite, reflita sobre a vida e sobre você mesmo e fixe-se nas coisas que quer deixar para trás. Invoque essas energias:

"Lua que de sangue se enche,
seu Ciclo precisa continuar.
Por essa razão tu derramas
essas energias que a tudo vem renovar!
Que essas energias,
Que teu sangue que escorre
também penetrem em mim.
Que eu possa ser limpo(a)
De tudo que no passado devo deixar.
Que saiam de mim agora
tudo aquilo que me impedir de continuar!

Lua que de sangue se enche,
Venha, venha me purificar!
Lua que de sangue se enche,
Venha, venha me renovar!
Lua que de sangue se enche,
Venha, venha fazer meu ciclo andar!"

Então, olhe para a Lua, fixamente, e sinta ela te limpando e purificando, levando de você tudo o que tem que ser levado. Acenda o caldeirão e queime tudo o que tem que queimar. Medite mais um pouco, sinta e tenha certeza da Lua te limpando. Evite pensamentos tristes, negativos ou rancorosos. Faça as atividades de adivinhação, ou o que mais se propôs. Então finalize tudo, deixe a vela e o caldeirão apagarem, tome o banho com ervas e durma. Jogue os restos fora em água corrente até o próximo pôr-do-sol. Evite lembrar do ritual, deixe com que ele aja em você e renove você mesmo sua vida.

Para os que se interessam, esse é um momento ideal para exorcismos, apesar de que, a energia negativa presente na pessoa terá mais força para lutar também. Mas o que for mandado embora quando a lua sangra dificilmente volta.


FELIZ ESBBATH!

Lua Plena (Cheia)

Link

Essa Lua só acontece uma vez por mês lunar... Nosso calendário comercial costuma colocar essa lua marcada em um período de 7 dias, mas de fato a Lua só é Plena por um único dia, quando ela está totalmente aparente no ápice de seu Ciclo. Nos demais dias, a Lua está ou crescendo ou minguando ou escura. Geralmente o dia do seu pico é marcado em nosso calendário comercial como sendo o dia de entrada da Lua Cheia.

Se a Lua Crescente é Jovem, a Lua Plena é Mãe. O arquétipo incorporado a essa Lua, desde seu simbolismo (redondo como o ventre de uma mulher grávida) até suas influências.

A Lua Plena nos fala do ápice de nossas capacidades, físicas e espirituais; de nosso momento mais sublime, de nossa missão e força. Mas, também como Mãe, ela nos guia e conduz, nos consola e reergue. Ela ilumina nossas noites, nossos corações, nos revela o mundo sombrio e nos faz vermos a verdade por trás dos véus.

Sua face Mãe é protetora e acolhedora... Destemida, pois fará tudo por seus filhos. É por isso que essa Lua costuma ser colocada como a Lua dos Desejos e a principal lua comemorada  por Bruxas e Bruxos. Ela toca nossos corações com amor, carinho, cuidado. Nos ajuda a ir além, guiados por nossos desejos e caminhos. Ela é pacífica, amorosa e cândida. Mas, como todo mãe, pode ser agressiva e cruel quando algo ameaça seus filhos. Ela nos ensina o caminho e, para além do sofrimento, nos consola com a verdade e carinho. Sua energia exalta em nós o que temos de mais poderoso e de mais forte e nos leva ao máximo de nosso próprio Ciclo.

É maravilhoso conversar com essa Lua e ver que ela realmente nos responde. Mas é preciso ter cuidado... Toda mãe faz as vontades de seus filhos, sempre que o pode. Pedir coisas para essa Lua pode ser de grande certeza o seu recebimento. Portanto, é preciso tomar muito cuidado com o que se deseja nesse dia, nossos sentimentos e emoções estão aumentados, mas é preciso ter discernimento, e ser razoável. Eu sempre aconselho a se pedir as coisas entregando a sabedoria responsável por nos presentear com esse milagre o juízo entre dar-nos ou não o que solicitamos, bem como o quando e o como receberemos essa dádiva. Pois nem sempre o que queremos é certo e nos será bom a médio ou longo prazo.

As Deusas de regência dessa Lua seguem muito bem seus arquétipos, em geral ligadas a fertilidade e a terra, como Danann / Dana / Danù / Anann / Ana / Anù / Don (a grande Deusa Mãe Celta). Mas nem todas as Deusas ligadas a essa Lua são mães no sentido físico da coisa. É preciso, assim como para as Deusas de arquétipos Jovem e Anciã, perceber que - apesar da estreita relação em nosso mundo mundano - os arquétipos marcam personalidades e posturas, não simplesmente ou apenas questões fisiológicas. Podemos ter uma mãe em um arquétipo Jovem, ou Anciã. Podemos ter uma velhinha Jovem, uma jovem Anciã e por aí vai. A incorporação dos arquétipos está para além da fisiologia a eles relacionada, apesar de muitas vezes essa combinação dar certo.

Desse modo, o arquétipo da Mãe está sempre ligado ao carinho, amor, fertilidade, superproteção, acolhimento e aos pedidos, muitas vezes de forma obstinada.


Para internalizar as energias dessa Lua é preciso primeiro aprender a identificá-la no céu. Reconhecer quando a Lua está plena ou não é essencial. Em seguida é preciso, com tempo e paciência, saber ler seus sinais, suas marcas (nuvens, névoas, círculos de luz, ...) e saber ver, sentir e ouvir dentro de si mesmo essa Lua, pois para conversar com ela será preciso entendê-la. Isso denota tempo, mas será um conhecimento mais que valioso. A dica é, observe a Lua todos os dias, converse com ela, medite sob sua luz e tente, pouco a pouco, entender suas respostas, sentir suas respostas em você mesmo.

Quando você for capaz de fazer isso, prepare um espaço sob a luz dessa Lua. Junto coloque um cálice ou copo com água e uma vela branca. Atividades de adivinhação são muito poderosas nesse dia, uma boa dica é usá-las: pêndulos, tarôs, bolas de cristais ou mesmo o scrying (que descreverei abaixo).

Tome um bom banho com Alfazema e Alecrim e, de preferência a meia noite, acenda a vela. Medite um pouco, tente sentir a energia da Lua e então a invoque, ou se preferir, invoque alguma Deusa de sua regência.

"Lua que Plena reina nos céus
Luz que guia mesmo nas estradas mais escuras.
Poder que afugenta todo o medo,
Mãe amiga que me abriga em seu peito.
É a ti que chamo nessa noite de poder!
Graciosa e esplêndida és.
Em sua plenitude e força nos contempla, nos eleva!
Mãe querida que sempre acolhe e protege teus filhos
é como filho teu que te chamo.
Venha, venha minha mãe grandiosa,
Atenda-me como filho,
Adentre meu coração e eleve minha mente.
Esteja em mim e comigo
E faça-me te sentir aqui
sempre ao meu lado.
Abençoe-me, ó bendita entre todas as Mães!"

Então converse com a Lua, mesmo que em silêncio, e veja, sinta sua resposta. Rituais de cura e prosperidade são excelentes nesse dia. Quando terminar, realize sua atividade divinatória, se quiser. Por fim, beba a água e sinta-se internalizado, conectado e ligado a essa Lua e a seu poder. Vá dormir depois e evite pensar na conexão, apenas viva-a.


SCRYING:

Scrying é o ato de ver, o ato da vidência, pouco usado para adivinhação, mas também possível. Você pode usar cristais, espelhos, fogo, fumaça ou água (recomendo o espelho d'água). Comumente usado na Lua Plena esse método permite ao vidente ter visões a respeito de acontecimentos ou de mensagens espirituais.

O primeiro passo é decidir qual meio usar, se vai usar algum cristal consagrado, espelhos, fogo (recomendo uma fogueira ou caldeirão de fogo), fumaça ou água (recomendo o espelho d'água). O importante é posicionar esse meio sob o luar. Meditar e relaxar um pouco, abrir sua visão e mente. Então Puxe a Lua para Baixo (método descrito abaixo) e se concentre no cristal, espelho, fogo, fumaça ou água. Fixe-se sua visão até que a visão te chegue. Quando finalizar, escreva-a em algum lugar para não perdê-la e finalize seu ritual.

Poços antigos, no mundo inteiro, foram usados para essa prática, assim como fogueiras, cálices com água, vinho e outras substâncias. Em geral, costuma-se usar o espelho d'água para esse fim, mas não é lei. Uma dica bem simples para quem quiser usar a água é pegar uma bacia prateada, de preferência de fundo espelhado, e enchê-la de água. Você pode usar qualquer coisa para fazer o srying, mas precisará ter desenvolvido sua visão como descrito na Meditação V proposta no blog. Quanto mais desenvolvida for sua visão mais fácil será para você ter suas visões, independente do local. Mas a dica é: procure o meio que mais te simpatize ou que mais tenha efeito com você.


PUXANDO A LUA PARA BAIXO:

Essa é uma prática, considerada por alguns como exclusividade feminina - mas não para mim, penso que qualquer um possa usá-la - que pode ser adaptada para a canalização de qualquer energia com a qual você já esteja familiarizado, internalizado. Assim sendo, no caso da Lua, será preciso estar familiarizado com a Lua Plena antes de executar essa prática.

Ela é bem simples. Medite um pouco, relaxe seu corpo e mente. Feche seus olhos e imagine uma enorme Lua Plena sobre sua cabeça, imagine e sinta que ela é real (você pode fazer o mesmo processo só trocando a imagem caso queria canalizar outra energia). Quando conseguir imaginar e sentir com firmeza a Lua, abra seus olhos e olhe para cima, para a Lua e sinta-se conectado com ela, ela agindo por você e através de você. Então realize a ação que se propôs.

Mais uma vez, será essencial que você domine a Meditação V.



FELIZ ESBBATH!

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Lua Crescente

(link)

Uma curiosidade a respeito dessa Lua: ela inverte de posição no Hemisfério Norte pro Sul e com a Lua Minguante. No Hemisfério Norte, essa Lua cresce da direita para a esquerda, formando um "D" quando está no Quarto Crescente; enquanto a Lua, ainda no Norte, decresce da direita para a esquerda, formando um "C" quando está quase Escura (nova) - foi dessa associação que nasceu o símbolo )O(: crescente, plena, minguante/decrescente. Dessa forma, se diz que a Lua, no Norte, é mentirosa: ela forma um D (de decrescente) quando cresce e forma um C (de crescente) quando míngua decresce. Já no Hemisfério Sul isso se inverte. A lua cresce da esquerda para a direita, formando um "C" no início de seu crescimento; enquanto também decresce da esquerda para a direita, formando um "D" em seu Quarto Minguante. Desse modo, o símbolo correto para a Tríplice Lunar no Sul seria (O): crescente, plena, minguante/decrescente. Assim, no Sul, a Lua não é mentirosa.


Indo do segundo dia de lua nova no calendário até a chegada da Lua Plena, mas tendo seu pico no quarto crescente - é preciso lembrarmos que a Lua só é Escura (nova) quando desaparece totalmente em sua sombra, e a Lua só é Plena quando está totalmente aparente no céu, nos demais dias ela está sempre crescendo ou minguando -; a primeira Lua do Ciclo é aquela que segue rumo a si mesmo. Ou seja, é a Lua que representa a face e o arquétipo da Jovem: obstinada, progressiva, destemida, ousada, enamorada e sonhadora.

Essa Lua nos fala de força, de força para lutarmos pelos nossos ideias e pelas coisas que precisamos lutar. Mas ela também nos fala de impulso, de obstinação e, em alguns casos, de obsessão. Por isso é preciso tomar cuidado para não deixar esse lado de luta, força, reconstrução se tornar uma luta sem um prol justo e um destino obsessivo e negativo.

As influências dessa Lua regem os recomeços, as paixões, a luta e tudo o que esteja ligado a jovialidade como sonhos, ilusões, obstinações, busca por verdade e caminho até si mesmo. Essa é a face que todos tem que passar ao entrar no caminho mágico. Todos precisam se iludir, sonhar e correr atrás, até para prosseguirem com tranquilidade e longevidade depois. É preciso se apaixonar para conhecer o amor; se enraivecer para conhecer o ódio; sofrer para descobrir a alegria; se machucar para conhecer a cura...

O arquétipo da jovem é impulsivo, direto, desejoso, amigo incondicional, disposta a tudo para alcançar seus objetivos. Também é apaixonado e rege as loucuras por amor ou mesmo o amor mais cândido e romantizado, capaz de lutar ou de amar docemente. Ela também é forte e destemida. É jovem, está em sua força plena, sem medo e sabe que pode ir longe se quiser... Mas também é imatura e acaba sofrendo influencias da raiva, do ciúmes, do medo e de seus erros, necessitando aprender com si mesma e buscar seu equilíbrio e experiência.

A magia dessa Lua é indicada para aqueles que estão (re)começando algo, seja lá o que for. Indicada para aqueles que se impulsionam nos sonhos e ilusões da paixão, para os que obstinam conseguir algo ou para aqueles que buscam encontrar e conhecer a si mesmo.

Entretanto, como a primeira Lua do Ciclo é essencial que todos passemos por ela e por suas energias, assim é importante internalizar suas energias.

Para internalizar as energias dessa Lua faça uma meditação simples. Tome um bom banho com Comigo Ninguém Pode, Arruda e Alfazema. Então, a noite, de preferência sob a luz e visão da Lua, separe um cálice com água e acenda uma vela rosa - incensos florais também são muito indicados. Invoque o poder dessa Lua ou de uma Deusa que absorva esse arquétipo (Brigit, Flidais, Bloddweed, Artemis/Diana, Persefone/Proserpina (no reino dos vivos), entre outras tantas).


"Lua que cresce tão formosa.
Obstinada em seu destino tu segues...
Te peço tão gentil e alegremente,
Leve-me contigo!
Dê-me tua força e abra meus caminhos.
Que eu possa começar a estrada
Que eu possa ir cada vez mais longe nos meus anseios,
Que eu conheça meu destino e que meus passos me conduzam até ele.
Que por tua força e poder nenhum obstáculo possa me deter...
Que meu coração saiba amar com romantismo
E que eu saiba lutar por tudo aquilo que está em meu destino.
Então Lua querida, Jovem irmã e amiga,
Que sua energia me faça e me preencha
E que estejamos unidos, agora e sempre!"

Então medite por um tempo, sinta a energia dessa Lua te contagiar e deixe com que ela penetre em você. Quando regressar, beba da água consagrada a Lua para firmar sua ligação. Deixe a vela queimar toda e se dedique a afazeres normais. Evite pensar no que acabou de fazer, deixa que se faça por si mesmo.

Uma Jovem energia a todos!

domingo, 11 de novembro de 2012

Eclipse Solar e o Sol Negro

Link

Primeiro é importante diferenciarmos o Eclipse Solar do Sol Negro: todo Sol Negro é um Eclipse Solar, mas nem todo Eclipse Solar é um Sol Negro. Esclarecendo, o Sol Negro só acontece quando o Eclipse Solar é total e a lua se centraliza totalmente no Sol deixando uma mancha negra ao centro rodeada de um anel perfeito de luz. Esse evento é extremamente raro e praticamente incalculável sua ocorrência. Já o Eclipse Solar é toda vez que Lua e Sol se encontram, ele pode ser Total, quando a Lua tampa em sua totalidade o Sol, ou Parcial, quando a Lua não tampa totalmente o Sol.

Desde a antiguidade esse evento é considerado mágico, místico e poderoso. Adorado e temido por muitos... O Eclipse Solar junta as energias do Sol e da Lua em uma simbiose perfeita e enriquece nosso planeta com uma energia mágica incalculável, afinal é a junção de nossos astros de maior poder e influência. Mesmo nos lugares em que o Eclipse não pode ser visto sua força pode ser sentida; claro que ele é mais forte em seu foco, mas todo o planeta pode se embriagar dessa energia. E obviamente que seguindo esse raciocínio, quanto mais total for o eclipse mais poderoso ele será, até chegar ao seu ápice: o Sol Negro.

Para muitos hoje o Eclipse é um encontro romântico, mas ele nem sempre foi previsto assim. As profecias a respeito do Eclipse sempre indicaram rompimento, catástrofes e renascimento. Nesse momento, as Trevas se sobrepõem a Luz em um momento que não é de sua regência e isso indica grande poder. Assim como a Lua Escura nos fala de nossos lados sombrios, do recomeço e do domínio das Trevas, o Sol Negro nos intensifica esse domínio, pois aqui as Trevas literalmente dominam a Luz.

Os místicos costumam acreditar que isso não é de todo mal, afinal, para a grande maioria, a vida veio da morte e não o contrário, assim como o dia nasce da noite e não a noite que segue o dia. Desse modo, não importa o quanto as trevas e o caos dominem, deles sempre nascerá a luz e a ordem, um recomeço, uma nova era... É assim que o Eclipse Solar se apresenta: uma transformação. Rompimento com o passado, a destruição do velho para a entrada do novo - mesmo que seja uma destruição forçada.

Mas o eclipse não seria de todo ruim, afinal, apesar de nos indicar catástrofes, rompimentos e um recomeço, ele também enriquece nosso mundo e a nós mesmos de energias; energias necessárias para a manutenção de toda a Ordem, que realinha o universo, o cosmos, nosso planeta e a nós mesmos: primeiro nos fazendo lidar com aquilo que devemos lidar, nos levando a deixarmos o passado no passado; depois nos enriquecendo com o recomeço, com novas oportunidades, com um caminho limpo e livre a frente; e, por fim, nos enriquecendo de plenitude. Lembremos aqui que é na escuridão que habita nosso ser mais puro, com seus desejos, verdades, sofrimentos e alegrias; é esse ser que o Eclipse vem energizar.

Desse modo, é bom nos prepararmos para esse evento mágico. Limparmos nosso ser de toda inveja e negatividade para que possamos ser energizados com harmonia e que essa energia ao inundar nosso íntimo possa nos trazer forças boas e positivas, nos realinhar com equilíbrio sem sentimentos negativos e perversos, criando uma perfeita comunhão com o equilíbrio universal, com o Ciclo, vendo no caos e vivendo nele um recomeço.

Antes de começar, prepare-se durante o tempo anterior ao eclipse, destrua de você toda negatividade e perversidade ou qualquer coisa que possam atrair os poderes destrutivos dessa Lua, para isso use o fogo ou a água corrente (rio). Pegue objetos, ou mesmo papéis escritos, que lembrem cada coisa que você está destruindo e destrua-os, sinta que por eles é destruído tudo o que você se propõe a destruir. E procure se preparar para o momento de forma equilibrada, para só atrair equilíbrio e prosperidade dessa Lua.

Depois você pode tomar um bom banho de ervas (Comigo Ninguém Pode, Arruda, Sálvia e Alecrim são bem recomendadas) para se limpar e começar tudo, mas faça isso antes, bem antes do horário do Eclipse. Na hora do eclipse, vista-se de roupas claras, de preferência brancas, trace um círculo de sal em volta de um bom espaço onde você possa meditar, se quiser pode ser ao ar livre ou em qualquer outro espaço. Acenda uma vela preta e coloque do lado uma libação (água, vinho e absinto são boas pedidas). Então, nutra-se de bons pensamentos e inicie uma meditação: comece com uma respiração rítmica (Respiração Diafragmática); em seguida se conecte com o universo (Meditação da Árvore) e quando estiver bem conectado, sinta e absorva as energias do eclipse, direcionando elas para onde você precisa dessa energia desconstrutiva e reconstrutiva. Quando voltar da meditação, beba da libação ainda mantendo a conexão, sinta-se conectada com esse fluxo universal, deixe a vela queimar toda, limpe tudo e volte a seus afazeres normais.

Pode fazer essas meditações de forma guiada se você estiver em grupo, e juntos, ou mesmo sozinho, bolarem encantos e rituais para equilibrarem e ajudarem a melhorar a vida em nosso mundo. Não é preciso nem pensar grande, ajudar nosso bairro, comunidade, trabalho já é um passo. Afinal de contas, bruxos também tem responsabilidades sociais com e para com a magia.

Enfim, lembre-se: é das trevas que vem a luz, da morte que vem a vida, da noite que vem o dia, do caos que vem a ordem. Não tenha medo e não nutra-se de nada que seja perverso, busque apenas o equilíbrio, sempre. No mais, permita-se viver e entrar nesse mundo negro de caos e desconstrução. Mas se mantenha em foco, afinal nada se faz por si só, se você não dominar o caos ele nunca se transformará em ordem. Que os Deuses Negros, regentes desse evento, possam sempre te guiar e conduzir...

Lua Escura e Lua Negra

Link

A Lua Escura e a Lua Negra são eventos muito falados e, às vezes, bem temidos e mal-compreendidos pelos bruxos. Diferenciando as duas, apesar da fusão dos termos já ser comum em decorrência da raridade da segunda lua, Lua Escura é a lua nova mensal, que geralmente acontece apenas um dia por mês, quando o céu está totalmente sem lua e ela se encontra envolvida na escuridão, sem face. Já a Lua Negra é quando a Lua Escura acontece na noite de Samhain (31 de outubro), um evento raríssimo e praticamente incalculável, dada a coincidência de datas, sendo Samhain um Sabbath de regência dos Deuses Negros e da face Negra da magia, e sendo a Lua Escura essa exata regência, a junção dos dois obviamente cria um campo mágico poderosíssimo. Entretanto, hoje em dia, uma virou sinônimo da outra, o que não é errado, mas é importante que saibamos diferenciar esses acontecimentos bem como a importância da verdadeira Lua Negra.

Mas o que realmente significa a Lua Escura? Tudo o que existe tem seu lado oculto, profundo, essencial, invisível. Em nossa vivência humana podemos enxergar nisso nossos sentimentos, nosso eu interior. Esse lado é sempre dual: ele pode ser maravilhoso ou horrível, alegre ou triste, bom ou mal, acolhedor/generoso ou vingativo/destrutivo. E é assim que essa Lua é. Ela indica esse lado oculto e secreto do universo. Como um quarto escuro que você nada enxerga, apenas sente, escuta e toca, essa é a Lua Escura: invisível, mas sensível, audível e tocável.

A confusão feita com essa Lua está na imagem de que ela seria uma face perversa, negativa e destrutiva. Essa é apenas uma de suas partes. E não podemos nos esquecer que foi do caos que nasceu a ordem; cientificamente falando foi e uma explosão sem igual que nasceu a maravilha de nosso universo, e é toda a destruição que algo pode ser construído. Então essa Lua é o fim e o início de tudo. Mas concordo, é preciso lidar com ela com cuidado, por ser invisível, não sabemos ao certo o que nos espera ao entrar nesse mundo, mas uma vez que nos habituamos a ele, certamente podemos lidar com ele da melhor maneira possível. O segredo é não ter medo, mas manter-se cauteloso.

Desse modo, essa Lua junta em si todos os arquétipos das demais faces: Jovem, Mãe e Anciã, ao mesmo mento que não pertence a nenhum esteriótipo, pois ela não pertence mais a esse mundo, mas sim a um outro, à morte, ao invisível. Sua marca é a regência da Morte, a mesma Morte que ensinou a magia e que gera a Vida, a mesma Morte para a qual toda a vida retorna. 

Os Deuses de sua regência são aqueles que nos falam de morte, renascimento, sentimentos, sofrimentos e guerras. Afinal, essa Lua também nos fala de nossos sentimentos, de nossos problemas, de nossos medos e desafios. Ao mesmo passo que ela nos incentiva, muitas vezes obriga mesmo, a lidarmos com tudo isso e, principalmente, acabar o que precisa ser acabado, resolver o que precisa ser resolvido, e deixar para trás o que tem que ser deixado. Em contrapartida, nossos sentidos, sentimentos, desejos, vontades e tudo mais que possamos sentir se intensifica nessa data, pois essa Lua nos leva até nosso interior, nosso eu profundo, escuro e secreto; e podemos encontrar com um eu belo ou terrível, depende do caminho que seguimos até lá, mas não teremos a opção de não confrontá-lo e lidar com ele. Mas depois de tudo isso, certamente encontraremos um recomeço, um belo caminho a ser trilhado, com as escolhas limpas e prontas para serem feitas. Se bem aprendemos com o passado, evitaremos caminhar por trilhas que nos levem a um eu terrível, se ainda não aprendemos, iremos nos deparar com ele novamente quando esse Ciclo se completar.

Essa é, pois, a regência dessa Lua: o caminho até o lado mais escuro, profundo e verdadeiro das coisas, para que possamos recomeçar depois. Mas teremos de lidar com todos os impulsos e sentimentos que temos, tanto físicos como espirituais e pessoais, e nesse caminho seremos guiados pelos - muitas vezes mal falados - Deuses Negros, regentes desse mundo de morte, verdade, profundidade, sentimentos, dualidades, impulsos; condutores entre os dois mundos:  visível e invisível. Muitas vezes mal compreendidos, por adquirirem em alguns momentos comportamentos impetuosos, impulsivos e agressivos, outras por falarem de morte e sofrimento. Mas precisamos nos recordar que muitas vezes é necessário agir sem exitar, outras agir sem pensar (pois o pensamento extremo também estagna), outros de manter o braço firme a qualquer preço; precisamos entender que todo sofrimento é um ensinamento para uma nova alegria e, principalmente, que sem a morte não há vida e que ela nada de mal tem. É nosso maior mistério, nosso maior chamado, nossa maior iniciação e nosso maior medo, mas também é nosso destino mais certo que precisamos acolher de braços abertos quando estivermos prontos e ela nos vier, afinal se ela a todos governa, porque não acolhe-la com júbilo?

Por fim, aqueles que viveram dessa Lua, assim como os que entendem e viveram Samhain, entendem como seu poder pode ser belo e necessário.


Para interiorizar essa Lua não é preciso muito. Comece buscando conhecer você mesmo, o que tem de bom e ruim e lidando com tudo isso, principalmente com seus sentimentos, sejam eles bons ou ruins. Por fim, se limpe de toda negatividade e tente aprender com o sofrimento. Tome um bom banho de ervas (Comigo Ninguém Pode, Arruda, Sálvia e Losna são muito boas). Acenda uma vela preta, em casa ou ao céu aberto mesmo, medite, profundamente. Tente encontrar tudo que em sua vida está mal resolvido, e tente encontrar suas resoluções. Depois desfaça-se de tudo em você que você precisa deixar ir. Através da meditação conecte-se com esse mundo escuro e de morte, conecte-se com essa energia, e com seu interior mais profundo. Se nutra das energias que você precisa, mas tome muito, muito cuidado para não se nutrir de pensamentos e atitudes perversas, afinal essa Lua é como a magia, ela existe, como você a usa é uma escolha sua. Quando terminar de meditar, beba uma boa libação (água, vinho, absinto ou bebidas fortes) internalizando toda essa energia. Então durma e deixe o sono e os sonhos te guiarem. Ao acordar, recomece sua vida, mantendo as energias, terminando o que tem que ser terminado e fazendo o que precisa ser feito, lidando, controlando e vivendo seus sentimentos e desejos, mas mantendo o foco, aprendendo e se transformando.

Você pode usar a energia dessa Lua para fazer encantos cuja regência se aproxime dessa Lua, pautados em transformação, superação ou em coisas muito pessoais. Métodos de adivinhação também são bem poderosos nessa Lua. Só tome muito, muito, muito cuidado com o que deseja nessa Lua. Ela pode não ser uma Lua de presença materializada, mas nem por isso ela deixa de ser uma Lua de ação, não nos esqueçamos que ela fortalece nossos impulsos e ímpetos e podemos acabar tomando atitudes que nos arrependamos depois e se isso acontecer, teremos de lidar com elas até que o Ciclo termine mais uma vez.