domingo, 11 de novembro de 2012

Lua Escura e Lua Negra

Link

A Lua Escura e a Lua Negra são eventos muito falados e, às vezes, bem temidos e mal-compreendidos pelos bruxos. Diferenciando as duas, apesar da fusão dos termos já ser comum em decorrência da raridade da segunda lua, Lua Escura é a lua nova mensal, que geralmente acontece apenas um dia por mês, quando o céu está totalmente sem lua e ela se encontra envolvida na escuridão, sem face. Já a Lua Negra é quando a Lua Escura acontece na noite de Samhain (31 de outubro), um evento raríssimo e praticamente incalculável, dada a coincidência de datas, sendo Samhain um Sabbath de regência dos Deuses Negros e da face Negra da magia, e sendo a Lua Escura essa exata regência, a junção dos dois obviamente cria um campo mágico poderosíssimo. Entretanto, hoje em dia, uma virou sinônimo da outra, o que não é errado, mas é importante que saibamos diferenciar esses acontecimentos bem como a importância da verdadeira Lua Negra.

Mas o que realmente significa a Lua Escura? Tudo o que existe tem seu lado oculto, profundo, essencial, invisível. Em nossa vivência humana podemos enxergar nisso nossos sentimentos, nosso eu interior. Esse lado é sempre dual: ele pode ser maravilhoso ou horrível, alegre ou triste, bom ou mal, acolhedor/generoso ou vingativo/destrutivo. E é assim que essa Lua é. Ela indica esse lado oculto e secreto do universo. Como um quarto escuro que você nada enxerga, apenas sente, escuta e toca, essa é a Lua Escura: invisível, mas sensível, audível e tocável.

A confusão feita com essa Lua está na imagem de que ela seria uma face perversa, negativa e destrutiva. Essa é apenas uma de suas partes. E não podemos nos esquecer que foi do caos que nasceu a ordem; cientificamente falando foi e uma explosão sem igual que nasceu a maravilha de nosso universo, e é toda a destruição que algo pode ser construído. Então essa Lua é o fim e o início de tudo. Mas concordo, é preciso lidar com ela com cuidado, por ser invisível, não sabemos ao certo o que nos espera ao entrar nesse mundo, mas uma vez que nos habituamos a ele, certamente podemos lidar com ele da melhor maneira possível. O segredo é não ter medo, mas manter-se cauteloso.

Desse modo, essa Lua junta em si todos os arquétipos das demais faces: Jovem, Mãe e Anciã, ao mesmo mento que não pertence a nenhum esteriótipo, pois ela não pertence mais a esse mundo, mas sim a um outro, à morte, ao invisível. Sua marca é a regência da Morte, a mesma Morte que ensinou a magia e que gera a Vida, a mesma Morte para a qual toda a vida retorna. 

Os Deuses de sua regência são aqueles que nos falam de morte, renascimento, sentimentos, sofrimentos e guerras. Afinal, essa Lua também nos fala de nossos sentimentos, de nossos problemas, de nossos medos e desafios. Ao mesmo passo que ela nos incentiva, muitas vezes obriga mesmo, a lidarmos com tudo isso e, principalmente, acabar o que precisa ser acabado, resolver o que precisa ser resolvido, e deixar para trás o que tem que ser deixado. Em contrapartida, nossos sentidos, sentimentos, desejos, vontades e tudo mais que possamos sentir se intensifica nessa data, pois essa Lua nos leva até nosso interior, nosso eu profundo, escuro e secreto; e podemos encontrar com um eu belo ou terrível, depende do caminho que seguimos até lá, mas não teremos a opção de não confrontá-lo e lidar com ele. Mas depois de tudo isso, certamente encontraremos um recomeço, um belo caminho a ser trilhado, com as escolhas limpas e prontas para serem feitas. Se bem aprendemos com o passado, evitaremos caminhar por trilhas que nos levem a um eu terrível, se ainda não aprendemos, iremos nos deparar com ele novamente quando esse Ciclo se completar.

Essa é, pois, a regência dessa Lua: o caminho até o lado mais escuro, profundo e verdadeiro das coisas, para que possamos recomeçar depois. Mas teremos de lidar com todos os impulsos e sentimentos que temos, tanto físicos como espirituais e pessoais, e nesse caminho seremos guiados pelos - muitas vezes mal falados - Deuses Negros, regentes desse mundo de morte, verdade, profundidade, sentimentos, dualidades, impulsos; condutores entre os dois mundos:  visível e invisível. Muitas vezes mal compreendidos, por adquirirem em alguns momentos comportamentos impetuosos, impulsivos e agressivos, outras por falarem de morte e sofrimento. Mas precisamos nos recordar que muitas vezes é necessário agir sem exitar, outras agir sem pensar (pois o pensamento extremo também estagna), outros de manter o braço firme a qualquer preço; precisamos entender que todo sofrimento é um ensinamento para uma nova alegria e, principalmente, que sem a morte não há vida e que ela nada de mal tem. É nosso maior mistério, nosso maior chamado, nossa maior iniciação e nosso maior medo, mas também é nosso destino mais certo que precisamos acolher de braços abertos quando estivermos prontos e ela nos vier, afinal se ela a todos governa, porque não acolhe-la com júbilo?

Por fim, aqueles que viveram dessa Lua, assim como os que entendem e viveram Samhain, entendem como seu poder pode ser belo e necessário.


Para interiorizar essa Lua não é preciso muito. Comece buscando conhecer você mesmo, o que tem de bom e ruim e lidando com tudo isso, principalmente com seus sentimentos, sejam eles bons ou ruins. Por fim, se limpe de toda negatividade e tente aprender com o sofrimento. Tome um bom banho de ervas (Comigo Ninguém Pode, Arruda, Sálvia e Losna são muito boas). Acenda uma vela preta, em casa ou ao céu aberto mesmo, medite, profundamente. Tente encontrar tudo que em sua vida está mal resolvido, e tente encontrar suas resoluções. Depois desfaça-se de tudo em você que você precisa deixar ir. Através da meditação conecte-se com esse mundo escuro e de morte, conecte-se com essa energia, e com seu interior mais profundo. Se nutra das energias que você precisa, mas tome muito, muito cuidado para não se nutrir de pensamentos e atitudes perversas, afinal essa Lua é como a magia, ela existe, como você a usa é uma escolha sua. Quando terminar de meditar, beba uma boa libação (água, vinho, absinto ou bebidas fortes) internalizando toda essa energia. Então durma e deixe o sono e os sonhos te guiarem. Ao acordar, recomece sua vida, mantendo as energias, terminando o que tem que ser terminado e fazendo o que precisa ser feito, lidando, controlando e vivendo seus sentimentos e desejos, mas mantendo o foco, aprendendo e se transformando.

Você pode usar a energia dessa Lua para fazer encantos cuja regência se aproxime dessa Lua, pautados em transformação, superação ou em coisas muito pessoais. Métodos de adivinhação também são bem poderosos nessa Lua. Só tome muito, muito, muito cuidado com o que deseja nessa Lua. Ela pode não ser uma Lua de presença materializada, mas nem por isso ela deixa de ser uma Lua de ação, não nos esqueçamos que ela fortalece nossos impulsos e ímpetos e podemos acabar tomando atitudes que nos arrependamos depois e se isso acontecer, teremos de lidar com elas até que o Ciclo termine mais uma vez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário