terça-feira, 27 de novembro de 2012

Lua Plena (Cheia)

Link

Essa Lua só acontece uma vez por mês lunar... Nosso calendário comercial costuma colocar essa lua marcada em um período de 7 dias, mas de fato a Lua só é Plena por um único dia, quando ela está totalmente aparente no ápice de seu Ciclo. Nos demais dias, a Lua está ou crescendo ou minguando ou escura. Geralmente o dia do seu pico é marcado em nosso calendário comercial como sendo o dia de entrada da Lua Cheia.

Se a Lua Crescente é Jovem, a Lua Plena é Mãe. O arquétipo incorporado a essa Lua, desde seu simbolismo (redondo como o ventre de uma mulher grávida) até suas influências.

A Lua Plena nos fala do ápice de nossas capacidades, físicas e espirituais; de nosso momento mais sublime, de nossa missão e força. Mas, também como Mãe, ela nos guia e conduz, nos consola e reergue. Ela ilumina nossas noites, nossos corações, nos revela o mundo sombrio e nos faz vermos a verdade por trás dos véus.

Sua face Mãe é protetora e acolhedora... Destemida, pois fará tudo por seus filhos. É por isso que essa Lua costuma ser colocada como a Lua dos Desejos e a principal lua comemorada  por Bruxas e Bruxos. Ela toca nossos corações com amor, carinho, cuidado. Nos ajuda a ir além, guiados por nossos desejos e caminhos. Ela é pacífica, amorosa e cândida. Mas, como todo mãe, pode ser agressiva e cruel quando algo ameaça seus filhos. Ela nos ensina o caminho e, para além do sofrimento, nos consola com a verdade e carinho. Sua energia exalta em nós o que temos de mais poderoso e de mais forte e nos leva ao máximo de nosso próprio Ciclo.

É maravilhoso conversar com essa Lua e ver que ela realmente nos responde. Mas é preciso ter cuidado... Toda mãe faz as vontades de seus filhos, sempre que o pode. Pedir coisas para essa Lua pode ser de grande certeza o seu recebimento. Portanto, é preciso tomar muito cuidado com o que se deseja nesse dia, nossos sentimentos e emoções estão aumentados, mas é preciso ter discernimento, e ser razoável. Eu sempre aconselho a se pedir as coisas entregando a sabedoria responsável por nos presentear com esse milagre o juízo entre dar-nos ou não o que solicitamos, bem como o quando e o como receberemos essa dádiva. Pois nem sempre o que queremos é certo e nos será bom a médio ou longo prazo.

As Deusas de regência dessa Lua seguem muito bem seus arquétipos, em geral ligadas a fertilidade e a terra, como Danann / Dana / Danù / Anann / Ana / Anù / Don (a grande Deusa Mãe Celta). Mas nem todas as Deusas ligadas a essa Lua são mães no sentido físico da coisa. É preciso, assim como para as Deusas de arquétipos Jovem e Anciã, perceber que - apesar da estreita relação em nosso mundo mundano - os arquétipos marcam personalidades e posturas, não simplesmente ou apenas questões fisiológicas. Podemos ter uma mãe em um arquétipo Jovem, ou Anciã. Podemos ter uma velhinha Jovem, uma jovem Anciã e por aí vai. A incorporação dos arquétipos está para além da fisiologia a eles relacionada, apesar de muitas vezes essa combinação dar certo.

Desse modo, o arquétipo da Mãe está sempre ligado ao carinho, amor, fertilidade, superproteção, acolhimento e aos pedidos, muitas vezes de forma obstinada.


Para internalizar as energias dessa Lua é preciso primeiro aprender a identificá-la no céu. Reconhecer quando a Lua está plena ou não é essencial. Em seguida é preciso, com tempo e paciência, saber ler seus sinais, suas marcas (nuvens, névoas, círculos de luz, ...) e saber ver, sentir e ouvir dentro de si mesmo essa Lua, pois para conversar com ela será preciso entendê-la. Isso denota tempo, mas será um conhecimento mais que valioso. A dica é, observe a Lua todos os dias, converse com ela, medite sob sua luz e tente, pouco a pouco, entender suas respostas, sentir suas respostas em você mesmo.

Quando você for capaz de fazer isso, prepare um espaço sob a luz dessa Lua. Junto coloque um cálice ou copo com água e uma vela branca. Atividades de adivinhação são muito poderosas nesse dia, uma boa dica é usá-las: pêndulos, tarôs, bolas de cristais ou mesmo o scrying (que descreverei abaixo).

Tome um bom banho com Alfazema e Alecrim e, de preferência a meia noite, acenda a vela. Medite um pouco, tente sentir a energia da Lua e então a invoque, ou se preferir, invoque alguma Deusa de sua regência.

"Lua que Plena reina nos céus
Luz que guia mesmo nas estradas mais escuras.
Poder que afugenta todo o medo,
Mãe amiga que me abriga em seu peito.
É a ti que chamo nessa noite de poder!
Graciosa e esplêndida és.
Em sua plenitude e força nos contempla, nos eleva!
Mãe querida que sempre acolhe e protege teus filhos
é como filho teu que te chamo.
Venha, venha minha mãe grandiosa,
Atenda-me como filho,
Adentre meu coração e eleve minha mente.
Esteja em mim e comigo
E faça-me te sentir aqui
sempre ao meu lado.
Abençoe-me, ó bendita entre todas as Mães!"

Então converse com a Lua, mesmo que em silêncio, e veja, sinta sua resposta. Rituais de cura e prosperidade são excelentes nesse dia. Quando terminar, realize sua atividade divinatória, se quiser. Por fim, beba a água e sinta-se internalizado, conectado e ligado a essa Lua e a seu poder. Vá dormir depois e evite pensar na conexão, apenas viva-a.


SCRYING:

Scrying é o ato de ver, o ato da vidência, pouco usado para adivinhação, mas também possível. Você pode usar cristais, espelhos, fogo, fumaça ou água (recomendo o espelho d'água). Comumente usado na Lua Plena esse método permite ao vidente ter visões a respeito de acontecimentos ou de mensagens espirituais.

O primeiro passo é decidir qual meio usar, se vai usar algum cristal consagrado, espelhos, fogo (recomendo uma fogueira ou caldeirão de fogo), fumaça ou água (recomendo o espelho d'água). O importante é posicionar esse meio sob o luar. Meditar e relaxar um pouco, abrir sua visão e mente. Então Puxe a Lua para Baixo (método descrito abaixo) e se concentre no cristal, espelho, fogo, fumaça ou água. Fixe-se sua visão até que a visão te chegue. Quando finalizar, escreva-a em algum lugar para não perdê-la e finalize seu ritual.

Poços antigos, no mundo inteiro, foram usados para essa prática, assim como fogueiras, cálices com água, vinho e outras substâncias. Em geral, costuma-se usar o espelho d'água para esse fim, mas não é lei. Uma dica bem simples para quem quiser usar a água é pegar uma bacia prateada, de preferência de fundo espelhado, e enchê-la de água. Você pode usar qualquer coisa para fazer o srying, mas precisará ter desenvolvido sua visão como descrito na Meditação V proposta no blog. Quanto mais desenvolvida for sua visão mais fácil será para você ter suas visões, independente do local. Mas a dica é: procure o meio que mais te simpatize ou que mais tenha efeito com você.


PUXANDO A LUA PARA BAIXO:

Essa é uma prática, considerada por alguns como exclusividade feminina - mas não para mim, penso que qualquer um possa usá-la - que pode ser adaptada para a canalização de qualquer energia com a qual você já esteja familiarizado, internalizado. Assim sendo, no caso da Lua, será preciso estar familiarizado com a Lua Plena antes de executar essa prática.

Ela é bem simples. Medite um pouco, relaxe seu corpo e mente. Feche seus olhos e imagine uma enorme Lua Plena sobre sua cabeça, imagine e sinta que ela é real (você pode fazer o mesmo processo só trocando a imagem caso queria canalizar outra energia). Quando conseguir imaginar e sentir com firmeza a Lua, abra seus olhos e olhe para cima, para a Lua e sinta-se conectado com ela, ela agindo por você e através de você. Então realize a ação que se propôs.

Mais uma vez, será essencial que você domine a Meditação V.



FELIZ ESBBATH!

Nenhum comentário:

Postar um comentário