terça-feira, 19 de março de 2013

Morrigan - Entre a Guerra e o Amor


Hoje é Dia de Morrigan, 19 de março. E como essa é minha Deusa regente e protetora, minha matrona, resolvi postar a história dela condensada, resumida e bem explicada para vocês. Espero que aprovem. Feliz Morrigan's Esbbath!

(Parte das informações passadas nesse artigo, foram coletadas da tradição oral da família Wingates - irlandesa - e passadas a mim quando tive contato com essa família em 2009-2011. Como antropólogo que também sou, dou muito valor a tradição oral e aos contos "modernos". Mas reconhecendo haver outras interpretações mais comuns - escritas -, deixo links abaixo para outras publicações sobre essa mesma Deusa)


Morrigan (nome derivado do gaélico Mor Rioagham – Grande Rainha, mas também conhecida como Rainha Fantasma por suas aparições em cemitérios e por sua relação com a morte e a guerra – como ser sempre vista limpando em um rio o corpo dos dignos mortos em combate) é uma das mais famosas Deusas celtas, presente nos mitos dos Tuatha dé Danann, descendente da grande matriarca e Deusa do povo celta Danann. Muito associada e visualizada com suas irmãs Badbh e Macha e que juntas compõem a Deusa Tríplice Morrigù (ou The Morrigan, ou ainda Morrignas). 

Os principais símbolos de Morrigan são o corvo, o escudo e a espada e a cruz celta. Conhecida por ser a destemida Deusa da Guerra e da Morte. Morrigan compõe a tríplice celta equivalente as Lâmias gregas (no caso de Morrigan, associada a Alecto). Morrigù é a Tríplice responsável pela condução das batalhas e pela morte. Também é o Juiz (Macha), o Júri (Morrigan) e o Carrasco (Badbh) de todas as coisas. É ela quem julga o merecimento ou não e qual as consequências dos atos de cada um, principalmente aqueles que acontecem em batalha. 

Desse modo, ao contrário de sua irmã Badbh, Morrigan está associada sim a guerra e a morte, mas aos seus lados positivos, derivados do bom merecimento, da honra e do descanso. Suas regências nos ensinam a merecermos sempre o que conquistamos, mas também a sermos humildes o suficiente para sabermos pedir ajuda. 

Por outro lado, Morrigan também está ligada aos impulsos – principalmente os sexuais –, a vingança. Mas assim como em seu mito, ela nos ensina a controlar nossos lados mais perversos para, sim, saber usá-los com perspicácia e sabedoria. Há o momento certo para todas as coisas, e para todos os sentimentos. 

Existem várias versões das lendas que envolvem essa Deusa, uma vez que sua história só foi de fato escrita por clérigos no século IXdEC. Chegar de fato a mitologia base é difícil e tem sido tarefa quase impossível. Entretanto, o que muito sobreviveu, principalmente nos ditos irlandeses e na relação desse povo com essa Deusa nos levam a uma possível história resumida. 

Morrigan era uma jovem muito bela, mas profundamente tímida. De longos cabelos negros, olhos tão escuros quanto uma noite sem luar, e a pele branca como a lua plena, lábios vermelhos como sangue arrancado no ardor de uma batalha. Era bem sedutora, mas muito quieta e tímida socialmente – o que se destacava como um paradoxo com seu comportamento em batalha. 

Filha do rei Ernmas, irmã de mias velha de Badbh e mais nova de Macha. Morrigan havia sido agraciada com o dom da visão, da profecia. Sempre vista de sua mentora e irmã Macha em oposição a sua irmã Badbh que se deleitava com os soldados vitoriosos de batalha. Era muito comum o ditado: “com Morrigan do lado não há derrota”. Além de prever os acontecimentos com exatidão, Morrigan era mais do que habilidosa em guerra, ia para o campo de batalha armada até os dentes, destemida, forte e imponente. Avançava sempre a frente do exército e, muitas vezes, com apenas um grito fazia exércitos inteiros recuarem. Nunca foi ferida em combate e sempre se preocupava em dar dignidade aos mortos, mesmo que fossem rivais, lavando seus corpos nos rios para que suas almas seguissem em paz. 

A parte principal de sua lenda se passa junto a guerra contra os Fomorianos, povo conhecido por sua tirania e crueldade já antes relatado em outras sagas deísticas celtas (Lugh, Nuada). Esse povo, característico por ser um grande rival não só dos Tuatha dé Danann como uma ameaça a manutenção da tradição e da ordem celta sobre o Alto Império – cuja sede na época pertencia aos Tuatha dé Danann. 

Ao final da épica batalha com Fomorianos segue uma cena não menos espetacular de Morrigan e sua irmã Badbh correndo juntas para proclamar aos quatro cantos a vitória dos Tuatha Dé Danann, gritando para tanto do cume das montanhas mais altas da Irlanda. 

Voltando a Tara (capital do reino dos Tuatha Dé Danann) Badb como uma menestrel improvisada , fortemente tão emocionada quanto inspirada pela importância daquele momento na vida de todos dananianos , cantou uma canção que assim começava e cujo o resto da letra se perdeu na poeira da história: 

“Paz sobe aos céus, 
Os céus descem a terra, 
Terra mora sob os céus, 
Todos são fortes...” 

Morrigan permanecia quieta ouvindo a bela canção de sua irmã, porém, enquanto todos eram só sorrisos transparecia um ar sombrio estampado na sua face que aos poucos atraiu atenção de todos ao ponto de cessarem suas celebrações para ver o que acontecia ali. 

Voltou a reinar um silêncio sepulcral entre os danannianos, sem que ninguém tivesse coragem de perguntar a Morrigan o que acontecia, quando sem aviso prévio a Grande Rainha em olhos marejados e voz embargada anunciou que teve uma visão sobre o que reservava o futuro para os Tuatha dé Danann. 

Na profecia Morrigan via o fim iminente da Era Divina dos Tuatha Dé Danann e o inicio de um tempo de miséria sem fim com mulheres sem pudor, homens sem força, velhos sem a sabedoria da idade e jovens sem respeito pelas tradições. Um era de injustiça, líderes cruéis, traição e sem nenhuma virtude! Um tempo onde haveria árvores sem frutos e mares sem peixes onde a Mãe Natureza só ofertaria um maná de veneno como alimento aos seres vivos! Esta era a chegada da Era dos Homens, do nosso mundo. 

Após esse ato preocupante, segue a passagem em que a tribo celta de Brainn desafiou os Tuatha dé Danann quanto ao controle do Alto Império, cuja sede, desde os tempos danannianos pertencia a esse povo, herdeiro não só por direito como sanguíneo da Deusa Danann. Novamente a tribo se preparou para a próxima batalha, destemidos, pois tinham entre os seus Morrigan, a invencível. 

Entretanto, a outra tribo também tinha um grandioso herói de guerra (a nível do Hércules grego), CùChulainn, conhecido por derrotar o temido cão de Culann (de onde herdou seu nome), filho possível do Deus Lugh com Deichtire ou, talvez de seu marido mortal, Sualtam e sobrinho do rei Conchobar mac Ness. 

Conhecido por sua bravura e igual destemor a guerra poderia sim ser de igual para igual. Porém, durante os preparativos, Morrigan e CùChulainn se apaixonaram. Fator que foi escondido pelos dois durante quase todo o tempo para que fosse revelado apenas no momento certo, evitando a batalha e unindo as tribos. 

O fato só não aconteceu, pois – e aqui falamos de uma versão da lenda –, sua irmã Badbh, enciumada, e achando desleal e errado ver Morrigan se relacionar com um inimigo, armou para separá-los. A outra versão fala que Badbh fez o que fez pois sonhava em se tornar rainha no lugar da irmã, vendo na batalha a única chance de Morrigan ser deposta do trono, a morte. O que fica fixo na lenda é a armação da caçula. Pelo que aparenta, Badbh criou a mais poderosa poção do amor já existente, conhecida como a Poção de Brainn (por ter dado a vitória a tribo). Essa poção destorceu e ocultou o amor de CùChulainn por Morrigan e o fez ficar obcecado por Badbh. Com isso, a batalha acabou por acontecer. 

Em batalha, Morrigan viu seu amado sendo gravemente ferido e isso deu a ela a primeira e única visão sobre o passado, na qual ela descobriu a armação de sua irmã. Possessa e cheia de raiva e ódio, ela arrancou de si todas as forças e matou todos no campo de batalha, amigo e inimigo. E depois se prestou a cuidar do amado. Mas a poção não perdeu seu efeito, mesmo com a morte de sua irmã, o que fez com que ele a rejeitasse constantemente. Então, como em seu último suspiro o herói não foi capaz de se lembrar de seu verdadeiro amor, Morrigan amaldiçoou seu espírito a vagar e a reencarnar eternamente, sem descanso, até que se lembrasse dela e do amor que sentiu por ela. Concomitante, ela se pôs a peregrinar pelos cemitérios e campos, ensinando as pessoas sobre o sofrimento, a morte, o amor e a magia. 

A tribo de Brainn herdou o trono e sequencialmente ele passou para Caer Nuada (Londres), onde se manteve praticamente até hoje. 

Dentro dessa linha podemos ver todas as regências da Deusa, assim como podemos entender que sua regência não é perversa nem muito menos negativa. Como punição por seu ato impulsivo, Morrigan se abdicou do trono que te era por direito, dando início a sua previsão: a Era dos Homens, já que o Povo dos Deuses (Tuatha dé Danann) perdera o poder. Paralelo ao peregrinar ela não mais era conhecida como uma Grande Rainha, mas sim como uma peregrina que habitava cemitérios, florestas e campos de batalhas. Também ficou famosa por seu apetite sexual insaciável, e por sua solidão frente ao amor (sempre a espera de seu amado). Se prestou a ajudar, orientar e conduzir as pessoas como consequência e pagamento por seu ato impulsivo e desleal, para que pudesse em sua morte e deificação encontrar dignidade e honra. 

É assim que a Deusa nos ensina a controlar nosso lado sombrio e a saber usá-lo. Bem como, se torna padroeira da morte, da vingança, dos amores – principalmente os impossíveis –, do sacerdócio e da magia. 

Em sua peregrinação Morrigan assume uma conduta tida por alguns como drástica, por outros como libertadora: ela passa a ensinar as pessoas a lutarem suas próprias batalhas, dando as armas certas a elas, mas sem guerrear pela pessoa, ensinando a meritocracia como um valor irrefutável da vida de qualquer um. 

Como Deusa, ela se tornou a regente do mundo da morte, senhora dos cemitérios e a responsável por conduzir os espíritos por entre os mundos, coordenando todos os seres relativos a esse lado sombrio que é a morte e seu mundo. Também é conhecida por ser a madrinha das guerras, escolhendo sempre o lado de maior justiça para ganhá-la, não com vitória, mas com dignidade, mesmo que conquistada póstuma. E ficou principalmente conhecida por ajudar as pessoas que dela precisam de ajuda, com conselhos, testes e desafios (ensinando que o sofrimento é um caminho para a felicidade), também oferecendo sua proteção incondicional para aqueles que merecem e também famosa por castigar aqueles que perdem sua dignidade até que a recuperem ou se vingar daqueles que considera como seus. 

Geniosa e exigente, o relacionamento com essa Deusa muito lembra o relacionamento com uma amiga muito íntima, cheio de idas e vindas, mas sempre forte e indestrutível, baseado na codependência. Porém, muito nobre, essa Deusa espera sempre receber o convite para agir ou mesmo para se aproximar. Em geral ela é muito direta, objetiva e enfática, mas quando a situação pede, ela também sabe ser carinhosa e compreensiva.

Lua Rosa


A Lua Rosa, ou Lua dos Desejos, é uma Lua bem especial e interessante. Oficialmente ela é a Lua Plena mais próxima de um Sabbath, conhecida como a Lua da Anunciação (quando antecede o Sabbath), Lua da Confirmação (quando procede o Sabbath) e Lua da Exaltação (quando acontece no dia do Sabbath). Hoje é mais comum de comemorá-la apenas no que confere aos quatro Sabbats Maiores (Samhain, Imbolc, Beltane e Lughnasadh), mas ela é real em todos os oito Sabbats. Em alguns grupos de egrégora feminina é comum celebrar cada Sabbath apenas no acontecimento dessa Lua em detrimento ao dia oficial da comemoração (entrada) do Sabbath específico.

Essa Lua recebe esse nome não por ficar colorida de rosa, mas por ser a Lua dos Desejos, aspecto que geralmente se associa a essa cor. Mas é visto que essa Lua costuma ter uma coloração diferenciada, principalmente em seu "nascimento", durante o pôr-do-sol, em geral subindo aos céus em tons mais amarelados e se tornando profundamente branca nas proximidades da meia-noite.

Ao falarmos que essa é a Lua dos Desejos, cabe ressaltar então o que isso realmente significa. Significa que essa é uma Lua mais acessível a encantos e conversas, ainda mais do que o convencional da Lua Plena, por outro lado, ela absorve a regência do Sabbath a que anuncia, confirma ou exalta, então a dica é que se pense para essa Lua algo relacionado diretamente com os significados do Sabbath. 

Os poderes exaltados dessa Lua a tornam poderosíssima, por isso, cuidado com o que é pedido: com certeza te será dado.

Minhas dicas para essa Lua é que se realizem um Esbbath comum da Lua Plena, de acordo com suas tradições e costume. Mas também acho mais do que viável acrescentar algumas coisas: busque usar incensos e ervas que atendam a sua finalidade nesse dia bem como se casem com o Sabbath relacionado. Como os poderes dessa Lua são muito fortes, podendo ser canalizados de forma boa ou ruim, dependendo do seu coração pedinte, recomendo que proceda o ritual dentro de um círculo de sal (pode ser o sal comum mesmo). Isso evitará que você seja contaminado por energias negativas. Concomitante, adentre ao círculo sempre deixando qualquer negatividade que sinta ou pense para o lado de fora. Se achar necessário, trace um Círculo completo invocando os Elementos, se não apenas trace o círculo de sal e levante as defesas.

Outra sugestão é o uso de vela na cor rosa em homenagem a Lua e o uso do Caldeirão de Fogo como forma de canalizar e potencializar as energias e seu ritual. Use esse dia para sanar suas principais dificuldades e aquilo que realmente precisar do auxílio da Lua. Banhar-se dessa lua enquanto conversa com ela, abrindo seu coração também é poderosíssimo e muito indicado.

Quanto a libação sugerida, isso varia da finalidade e do Sabbath, bem como do ritual a que se propôs. Mas em geral, indico um vinho branco, água, água de coco ou sucos bem doces, evite os cítricos.


Um ritual aproximado que indico é:

Prepare um Círculo de sal colocando um caldeirão no centro, uma libação de vinho branco (preferencialmente suave). Defume todo o espaço com ervas ou incensos (escolha os que mais se aproxime de sua intensão bem como do Sabbath que a Lua representa). Purifique tudo e a você com água salgada. Faça uma boa meditação antes de entrar no ritual, se limpando da negatividade e se focando naquilo que você quer alcançar. Então adentre ao ritual (se possível, vestido de véu / céu). Acenda o Caldeirão de Fogo, invoque a Lua:

"Lua Rosa de grande poder,

Amiga e Mãe que hoje vai me receber.
Energia pura que inunda meu corpo
Eleva meu coração
e me atenda com seu sopro.
Traga-me calma,
despeje-me seu poder...
Ensine-me a pensar
e guie-me em meu desejar!
Senhora amada,
agora invocada.
Atenda meus desejos,
adentre meu coração
revele-me seu poder!
Abençoe-me senhora,
Abençoe-me com seu completo ser."

Então sugiro que queime toda negatividade e tudo o quer se desfazer (seja por objetos q simbolizem essas coisas, ou por papéis com tudo isso escrito). Então faça a Meditação da Árvore. Quando regressar, converse com a Lua, deixe seu coração falar. Por fim, realize o encanto ou ritual a que se propôs. Beba da libação e finalize tudo. Quanto terminar, junte os restos de dentro do caldeirão e o sal no chão e enterre, preferivelmente em árvores/plantas dedicadas a Lua Plena, como Pinheiro, Roseira.

Esse também é um momento bem interessante para rituais de banimento, reenergização e consagração.


Feliz Esbbath a todos!